Governo propôs layoff com duas fases e sem suspensão de contratos

Proposta mostrada aos parceiros sociais assenta em programas de apoio trimestrais até ao final de 2020. Salários poderão continuar cortados e empresas só podem reduzir horários.

cip,ccp,ugt,cgtp,concertacao-social,governo,
Foto
Empresários temem complexidade excessiva das novas regras Adriano Miranda

As empresas vão poder contar com um mecanismo de layoff até ao final do ano, possivelmente com duas fases distintas e regras eventualmente diferentes. Já não será o layoff simplificado, instituído no final de Março, mas este também não vai desaparecer de imediato. Os sindicatos criticam a proposta do Governo, porque não se garante aos trabalhadores a recuperação de 100% do rendimento, pelo menos no imediato. E os patrões dizem que é inadmissível que o Governo retire às empresas o acesso à suspensão do contrato de trabalho.