Houve arte na estreia do “futebol desconfinado” em Portugal

No Algarve, houve um jogo quase sempre lento e com muitos erros técnicos, mas com alguma emoção e equilíbrio. Acima de tudo isto, houve um momento de arte de Lucas Fernandes que deu novo fôlego ao Portimonense na luta pela permanência na I Liga.

Jackson e Soares em acção no Algarve
Foto
Jackson e Soares em acção no Algarve LUSA/LUÍS FORRA

O Portimonense vencer o Gil Vicente, por 1-0, em casa, não pode ser considerado uma surpresa total, pelo equilíbrio individual das equipas, mas é uma surpresa relativa, olhando para a classificação da I Liga e, sobretudo, para o que se passou no relvado de Portimão, nesta quarta-feira. Um jogo que foi resolvido por este grande golo de Lucas Fernandes, que permite aos aflitos algarvios ganharem novo fôlego na luta pela permanência.

Antes da partida, quando ainda raiava o sol no Algarve, os autocarros de Gil Vicente e Portimonense foram seguidos pelas câmaras televisivas, como habitualmente se vê nos clássicos entre os “grandes” – e ao bom estilo Euro 2004. A pompa foi grande e a circunstância justificava-o: este foi o primeiro jogo do “futebol desconfinado”, como lhe chamámos no PÚBLICO, após a paragem do campeonato com a pandemia de covid-19.

Apesar do marco histórico, não há como esconder: ainda ninguém está, no “novo futebol”, como estava no “antigo”. Portimonense e Gil Vicente jogaram de forma lenta, as dinâmicas colectivas pareceram “empenadas” e os erros técnicos foram uma constante, tal como num qualquer jogo de pré-temporada. Mas houve luta e emoção. Valeu por isso.

Gil começou melhor

Apesar de este final de época ser mais importante para um Portimonense aflito do que para um Gil Vicente tranquilo, o jogo trouxe, na primeira parte, uma equipa minhota mais capaz. E mais fresca.

Os algarvios surgiram em campo com índices físicos limitados – alguns jogadores incapazes de fazer sprints longos, quer a atacar quer a defender – e o Gil Vicente, mesmo sem ter uma dinâmica tremenda, pareceu, comparada com o Portimonense, uma equipa que nunca passou pelo confinamento.

Com as equipas cientes de que a paragem poderia desencadear erros técnicos e descoordenação colectiva, o futebol apoiado deu lugar aos passes longos. Foi esta a via quase sempre procurada pelas equipas e o Gil Vicente soube usá-la com propriedade.

Criou perigo logo aos 5’, com Sandro Lima a não finalizar, apesar de isolado, e aos 7’, com um contra-ataque em que quatro atacantes contra dois defensores não conseguiram finalizar – definiu mal Rúben Ribeiro.

O Portimonense, com o “craque” Lucas Fernandes mal apoiado, pouco perigo criou e, quando perdia a bola de forma inesperada – não foram poucas vezes –, o Gil, sem ser dominador, aproveitava para assustar. Foi o que fez aos 19’, com remate de Baraye, e aos 20’ e 23’, em dois lances perigosos, mas sem finalização.

O apreço pelo passe longo, do lado algarvio, apenas deu para um par de remates fracos e de jogadas de perigo modesto – numa delas, Boa Morte surgiu isolado, mas sem condições de remate.

Arte de Lucas

Na segunda parte, ainda os adeptos estavam a acomodar-se no sofá e já o Portimonense estava na frente. Lucas Fernandes desistiu de partilhar a bola com os colegas erráticos e, com espaço, rematou forte, de muito longe, com a bola a entrar no canto superior esquerdo da baliza do Gil Vicente.

Lance que surpreendeu o guarda-redes Denis, que nem se lançou à bola, e que surpreendeu, também, quem via um jogo que, até então, parecia destinado a cair para os minhotos.

Rúben Ribeiro, aos 57’, e Claude Gonçalves, aos 60’, ainda amedrontaram o Portimonense, mas os minhotos foram, com o desenrolar da partida, perdendo a frescura que chegaram a mostrar na primeira parte. Do outro lado, o Portimonense foi crescendo no jogo e Lucas Fernandes fez o melhor passe do jogo, aos 76’, numa abertura de primeira, mas Boa Morte definiu mal a jogada - uma constante em toda a partida. 

O jogo caminhou lentamente para o final, com as equipas cada vez mais atabalhoadas na criação de jogo, e o Gil apenas numa sequência de pontapés de canto, já nos últimos minutos, tentou chegar ao golo. Sem perigo real, porém, ao contrário do que tinha conseguido na primeira parte.

Sugerir correcção