Ímpar

De joelho no chão nos EUA — pela justiça e contra a violência policial

Atlanta, Geórgia. Vários membros das forças policiais ajoelharam-se durante o protesto contra a morte, em Mineápolis, do afroamericano George Floyd [1 de Junho de 2020] REUTERS/Dustin Chambers
Fotogaleria
Atlanta, Geórgia. Vários membros das forças policiais ajoelharam-se durante o protesto contra a morte, em Mineápolis, do afroamericano George Floyd [1 de Junho de 2020] REUTERS/Dustin Chambers

Foi a compressão do joelho do agente Derek Chauvin, do Departamento de Mineápolis, que resultou na morte por asfixia de George Floyd — desarmado, algemado e negro. O joelho tornou-se, assim, um símbolo contra a violência policial. E, além de religiosos, políticos e famosos, vários polícias, um pouco por todo o país, unem-se à causa, não obstante os desacatos e a violência que a mesma tem causado.

Em Washington, D.C., uma agente ajoelha-se em solidariedade com os manifestantes durante um protesto contra a morte de George Floyd [31 de Maio de 2020]
Em Washington, D.C., uma agente ajoelha-se em solidariedade com os manifestantes durante um protesto contra a morte de George Floyd [31 de Maio de 2020] REUTERS/Jonathan Ernst
No bairro de Queens, em Nova Iorque, um polícia ajoelha-se com os manifestantes depois de estes lhes terem pedido que o fizesse; <a href="https://www.publico.pt/2020/06/01/impar/noticia/vamos-caminhar-policia-maos-ajoelhase-manifestantes-1918939" target="_blank">o gesto foi recebido de forma emotiva</a> [31 de Maio de 2020]
No bairro de Queens, em Nova Iorque, um polícia ajoelha-se com os manifestantes depois de estes lhes terem pedido que o fizesse; o gesto foi recebido de forma emotiva [31 de Maio de 2020] REUTERS/CORTESIA ALEEIA ABRAHAM
No bairro de Queens, em Nova Iorque, as autoridades ajoelharam-se com os manifestantes depois de estes lhes terem pedido que o fizesse; <a href="https://www.publico.pt/2020/06/01/impar/noticia/vamos-caminhar-policia-maos-ajoelhase-manifestantes-1918939" target="_blank">o gesto foi recebido de forma emotiva</a> [31 de Maio de 2020]
No bairro de Queens, em Nova Iorque, as autoridades ajoelharam-se com os manifestantes depois de estes lhes terem pedido que o fizesse; o gesto foi recebido de forma emotiva [31 de Maio de 2020] REUTERS/CORTESIA ALEEIA ABRAHAM
No bairro de Queens, em Nova Iorque, as autoridades ajoelharam-se com os manifestantes depois de estes lhes terem pedido que o fizesse; <a href="https://www.publico.pt/2020/06/01/impar/noticia/vamos-caminhar-policia-maos-ajoelhase-manifestantes-1918939" target="_blank">o gesto foi recebido de forma emotiva</a> [31 de Maio de 2020]
No bairro de Queens, em Nova Iorque, as autoridades ajoelharam-se com os manifestantes depois de estes lhes terem pedido que o fizesse; o gesto foi recebido de forma emotiva [31 de Maio de 2020] REUTERS/CORTESIA ALEEIA ABRAHAM
Na baixa da cidade de Atlanta, Geórgia, onde a presidente da Câmara fez um discurso emotivo que levou <a href="https://www.youtube.com/watch?v=9alzXkvXVrw" target="_blank">populares a iniciarem um processo de limpeza da cidade</a> e onde <a href="https://www.youtube.com/watch?v=0fSZiG4BMLs" target="_blank">dois membros da polícia foram despedidos por uso excessivo de força</a>, os agentes e militares ajoelharam-se com os manifestantes [1 de Junho de 2020]
Na baixa da cidade de Atlanta, Geórgia, onde a presidente da Câmara fez um discurso emotivo que levou populares a iniciarem um processo de limpeza da cidade e onde dois membros da polícia foram despedidos por uso excessivo de força, os agentes e militares ajoelharam-se com os manifestantes [1 de Junho de 2020] REUTERS/Dustin Chambers
Oklahoma City, Oklahoma. Um único agente ajoelha-se em solidariedade com os manifestantes na sequência da morte de George Floyd [31 de Maio de 2020]
Oklahoma City, Oklahoma. Um único agente ajoelha-se em solidariedade com os manifestantes na sequência da morte de George Floyd [31 de Maio de 2020] REUTERS/Nick Oxford
Boston, Massachusetts. O reverendo Bernard Coulter ajoelhou-se durante nove minutos, numa oração conduzida por líderes religiosos com o grupo Resistência Profética da cidade [1 de junho de 2020]
Boston, Massachusetts. O reverendo Bernard Coulter ajoelhou-se durante nove minutos, numa oração conduzida por líderes religiosos com o grupo Resistência Profética da cidade [1 de junho de 2020] REUTERS/Brian Snyder
Nas ruas endinheiradas de Manhattan, Nova Iorque, dois homens saem à rua para se ajoelharem durante um protesto contra a morte George Floyd [1 de Junho de 2020]
Nas ruas endinheiradas de Manhattan, Nova Iorque, dois homens saem à rua para se ajoelharem durante um protesto contra a morte George Floyd [1 de Junho de 2020] REUTERS/Jeenah Moon
São Francisco, Califórnia. O actor e activista Jamie Foxx (<a href="https://cinecartaz.publico.pt/Filme/313431_django-libertado" target="_blank">Django Libertado</a>, 2012) ajoelha-se durante uma manifestação contra a violência policial na origem da morte do afroamericano George Floyd [1 de Junho de 2020]
São Francisco, Califórnia. O actor e activista Jamie Foxx (Django Libertado, 2012) ajoelha-se durante uma manifestação contra a violência policial na origem da morte do afroamericano George Floyd [1 de Junho de 2020] REUTERS/Stephen Lam
A presidente da Câmara de São Francisco Califórnia, London Breed, com o actor Jamie Foxx, durante uma manifestação contra a violência policial na origem da morte do afroamericano George Floyd [1 de Junho de 2020]
A presidente da Câmara de São Francisco Califórnia, London Breed, com o actor Jamie Foxx, durante uma manifestação contra a violência policial na origem da morte do afroamericano George Floyd [1 de Junho de 2020] REUTERS/Stephen Lam
Portland, Oregon. Os polícias ajoelham-se em solidariedade com os manifestantes [31 de Maio de 2020]
Portland, Oregon. Os polícias ajoelham-se em solidariedade com os manifestantes [31 de Maio de 2020] PAIGE BARETTA via REUTERS
Portland, Oregon. Os polícias ajoelham-se em solidariedade com os manifestantes [31 de Maio de 2020]
Portland, Oregon. Os polícias ajoelham-se em solidariedade com os manifestantes [31 de Maio de 2020] PAIGE BARETTA via REUTERS
Em Portland, Oregon, um dos manifestantes cumprimenta um agente da polícia, depois de as autoridades se terem juntado ao protesto, ajoelhando-se contra a violência policial que resultou na morte do afroamericano George Floyd [31 de Maio de 2020]
Em Portland, Oregon, um dos manifestantes cumprimenta um agente da polícia, depois de as autoridades se terem juntado ao protesto, ajoelhando-se contra a violência policial que resultou na morte do afroamericano George Floyd [31 de Maio de 2020] PAIGE BARETTA via REUTERS
Sugerir correcção