Arouca

Uma casa que não tira os olhos da Serra da Freita

João Morgado
Fotogaleria
João Morgado

Primeiro, uma ânsia de contemplação. "Foi isso que também originou a implantação" desta casa em Arouca, construída para se parecer com um "olho visto do céu": "a vontade do olhar se debruçar sobre a paisagem". "A implantação transmite essa vontade através da forma do olho. E tudo nasce a partir do lugar", apresenta-a a arquitecta Ana de Bastos, com estúdio em Santa Maria da Feira.

A habitação unifamiliar, projectada em colaboração com o arquitecto Filipe Xavier Oliveira, não se limita a piscar um olho à serra que a envolve. Debruçada num vale da Serra da Freita, deixa-se ficar a olhar, lânguida, sobreelevada em relação à rua, para espreitar melhor para as montanhas, e com paredes de vidro, para não perder nada.

A forma em meia-lua — que, quando nos afastamos verticalmente, mostra um olho azulado pelos azulejos do fundo da piscina semi-circular e com voluptuosas pestanas, formadas pelos volumes da garagem, lavandaria e do pátio — "abre-se para sul, fechando-se a norte num gesto contínuo". Uma regalia de deixar os olhos bem abertos: "permite ver o pôr do sol sem nos movimentarmos à volta da casa". Nas outras horas do dia, menos douradas, o resto é paisagem. 

João Morgado
João Morgado
João Morgado
João Morgado
João Morgado
João Morgado
João Morgado
João Morgado
João Morgado
João Morgado
João Morgado
João Morgado
João Morgado
João Morgado
João Morgado
João Morgado
João Morgado
João Morgado
João Morgado
Sugerir correcção