O racismo (não) é intolerável!

Derek Chauvin outorgou-se o direito de matar George Floyd em frente das câmaras porque tinha a possibilidade física e social de o fazer. A sociedade onde vive não considera que o racismo seja intolerável.

Imagine-se por uns minutos o momento inaugural de genuína perplexidade de uma criança ao descobrir que algo de tão fútil como a cor da sua pele constitui um problema na sociedade onde vive. Que a cor da sua pele faz dela um alvo privilegiado de chacota, de insulto e de violência, não só por parte de outras crianças, mas também de adultos, não só no seu bairro, na sua cidade ou no seu país, mas em várias partes do mundo, não só na época em que vive, mas que é uma realidade que se perpetua há séculos. A incompreensão inicial transforma-se num ápice em profunda angústia. O racismo é um traumatismo.

A influência nefasta da carência afetiva precoce está, hoje, bem documentada. Em meados do século passado já René Spitz e Harry Harlow haviam demonstrado a importância da atenção, do carinho e do amor no desenvolvimento normal de uma criança e as repercussões na sua vida de adulto. Essa relação de reconhecimento e cuidado por parte do Outro é essencial e chega a condicionar a própria sobrevivência da criança. No entanto, as nossas relações afetivas não se limitam às figuras maternas ou paternas, estendem-se também a esta espécie de família alargada a que chamamos de sociedade. O racismo é uma das expressões mais cruéis e perversas dessa relação afetiva deteriorada. Para além da evidente rutura do contrato social, alicerçado sobre o valor da Igualdade, que constitui o racismo, para além desta rutura política abstrata, existe uma rutura mais íntima, mais profunda, mais encarnada. Afinal não somos uma família.

Esta primeira rejeição é arrasadora, desconstrói uma personalidade em desenvolvimento. A criança vai desde logo recorrer a estratégias para voltar a sentir a confiança inicial, para voltar a fazer parte da família. Convence-se de que, de facto, o problema é ela. O processo de racismo interiorizado está em curso. Mas aos poucos a criança, o jovem, o adulto entende que afinal pouco importam as estratégias, pouco importam os esforços, o problema continua visível, o seu corpo negro incomoda.

Ao longo dos séculos esse corpo (indissociável da mente) foi subjugado, martirizado, assassinado, invisibilizado, enviado para campos de trabalho, para as periferias, para as cozinhas, para as prisões, para as sepulturas. Como o corpo de George Floyd, torturado e assassinado por um polícia branco de Minneapolis em 2020, na autoproclamada “maior democracia do mundo”. O racismo é violência.

Derek Chauvin outorgou-se o direito de matar George Floyd em frente das câmaras porque tinha a possibilidade física e social de o fazer. A sociedade onde vive não considera que o racismo seja intolerável. A História e a justiça do seu país, as convicções racistas e supremacistas de uma parte importante dos americanos, inclusive do seu próprio Presidente, confortam-no na sua ação. É a mesma sociedade que permite em Nova Iorque que Amy Cooper ameace e proceda a uma falsa denúncia contra um homem negro à polícia. Esta mulher racista sabe em que sociedade vive.

Em Portugal, o polícia que brutalizou Cláudia Simões também sabe em que sociedade vive, tem consciência, por exemplo, que na última década nenhum polícia foi condenado por racismo. O deputado André Ventura conhece a sociedade em que vive, conhece o valor das vidas de ciganos e negros em Portugal. Sente-se confortável para exprimir, há anos, toda a sua ciganofobia, porque não somente não foi alvo de qualquer sanção à altura dos seus atos como ainda pôde entrar sorridente pela porta principal da Casa da Democracia. Ventura conhece a sociedade que lhe permite sugerir o regresso de uma deputada portuguesa negra para a sua terra, sem qualquer perda pessoal e política. Pelo contrário, sobe nas intenções de voto. Se o racismo fosse intolerável o deputado racista já teria sido expulso do Parlamento (aliás nunca lá teria entrado) e estaria no banco dos réus por incitação ao ódio racial, da qual a proposta de um plano de confinamento para a população cigana é mais um insuportável exemplo.

Mas o racismo é tolerável dentro do Parlamento, é tolerável na sociedade portuguesa, na americana, na francesa, no nosso mundo. E tolerar o racismo é ser racista. É admitir a existência de cidadãos de segunda, que a justiça não seja igual para todas e todos. É aceitar que não façam parte da família. É permitir que a criança negra ao ser testemunha dos últimos instantes de respiração de Floyd seja também ela transportada para aquele chão e sufoque e chore sabendo que este não é nem o princípio nem o fim do pesadelo. O racismo é terrorismo.

A autora escreve segundo o novo acordo ortográfico