Milhares de pessoas protestam em Londres e Berlim contra violência policial nos EUA

Nas redes sociais os grupos mobilizam-se para mais protestos durante a semana em cidades europeias. “Justiça para Geoege Floyd” e “Párem de nos matar” foram as palavras de ordem.

londres,racismo,eua,mundo,reino-unido,alemanha,
Fotogaleria
Uma pessoa foi detida pela polícia durante os protestos contra a morte de George Floyd em frente à embaixada dos Estados Unidos, em Londres JOHN SIBLEY/Reuters
londres,racismo,eua,mundo,reino-unido,alemanha,
Fotogaleria
Protestos contra a morte de George Floyd em Londres, Inglaterra JOHN SIBLEY/Reuters
londres,racismo,eua,mundo,reino-unido,alemanha,
Fotogaleria
Manifestações na Parliament Square, Londres JOHN SIBLEY/Reuters
londres,racismo,eua,mundo,reino-unido,alemanha,
Fotogaleria
Trafalgar Square, Londres JOHN SIBLEY/Reuters
enbursa.com
Fotogaleria
Protestos na Trafalgar Square contra a morte do afro-americano George Floyd, Londres JOHN SIBLEY/Reuters

Milhares de pessoas manifestaram-se neste domingo no centro de Londres e de Berlim para condenar a violência policial nos Estados Unidos, após a morte do afro-americano George Floyd.

Já no sábado tinha havido protestos em Berlim (Alemanha) e Toronto (Canadá).

Neste domingo, os manifestantes em Londres juntaram-se em Trafalgar Square, junto ao parlamento e perto da embaixada dos Estados Unidos. Em Trafalgar, ouvira-se palavras de ordem como “Sem justiça não há paz”. 

Ignorando a covid-19, e as regras de distanciamento, os manifestantes empunharam cartazes com frases como “Black Lives Matter" (A vida dos negros importa) e “ I can't breath" “Não consigo respirar, as últimas palavras de George Floyd, morto na segunda-feira passada por um polícia na cidade de Minneapólis, nos Estados Unidos.

A reverando Sally Hitchiner, da igreja St. Martin-in-the-Fields, em Trafalgar Square, disse à BBC que podia ver os manifestantes. “Estou solidária com a questão mas também surpreendida por ver a força das emoções que juntaram aqui estas pessoas”. “Claramente não estão a cumprir o isolamento e o distanciamento social, mas creio que há aqui muita paixão e isso está a sobrepor-se as outras preocupações”.

“Este é um problema que requer paixão, mas um risco elevado no que estão à fazer”, acrescentou a reverendo.

A polícia acompanhou a marcha dos manifestantes, que foram aplaudidos no seu percurso por muitas pessoas.

Várias centenas de pessoas juntaram-se em frente à embaixada dos EUA em Berlim, na Alemanha, com cartazes a dizer “Justiça para George Floyd” e “Párem de nos matar”.

PÚBLICO - Protestos contra a morte de George Floyd na Trafalgar Square, Londres
Protestos contra a morte de George Floyd na Trafalgar Square, Londres John Sibley/REUTERS
PÚBLICO - Manifestação em Londres contra a morte do afro-americano George Floyd nos EUA
Manifestação em Londres contra a morte do afro-americano George Floyd nos EUA John Sibley/REUTERS
PÚBLICO - Trafalgar Square, Londres
Trafalgar Square, Londres John Sibley/REUTERS
PÚBLICO - Manifestações na Trafalgar Square, Londres
Manifestações na Trafalgar Square, Londres John Sibley/REUTERS
PÚBLICO -
John Sibley/REUTERS
PÚBLICO - Trafalgar Square, Londres
Trafalgar Square, Londres John Sibley/REUTERS
PÚBLICO -
John Sibley/REUTERS
PÚBLICO - Protestos contra a morte de George Floyd na Trafalgar Square, em Londres
Protestos contra a morte de George Floyd na Trafalgar Square, em Londres John Sibley/REUTERS
PÚBLICO -
John Sibley/REUTERS
PÚBLICO - Polícia durante os protestos na Trafalgar Square, em Londres
Polícia durante os protestos na Trafalgar Square, em Londres John Sibley/REUTERS
PÚBLICO -
John Sibley/REUTERS
PÚBLICO - As manifestações em Londres contra a morte de George Floyd
As manifestações em Londres contra a morte de George Floyd John Sibley/REUTERS
PÚBLICO - Os protestos junto à embaixada dos Estados Unidos, em Londres
Os protestos junto à embaixada dos Estados Unidos, em Londres John Sibley/REUTERS
PÚBLICO - Manifestantes de joelhos durante os protestos contra a morte de George Floyd em frente à embaixada dos EUA, em Londres
Manifestantes de joelhos durante os protestos contra a morte de George Floyd em frente à embaixada dos EUA, em Londres John Sibley/REUTERS
PÚBLICO - O cordão policial durante a manifestação junto à embaixada dos EUA, em Londres, Inglaterra
O cordão policial durante a manifestação junto à embaixada dos EUA, em Londres, Inglaterra John Sibley/REUTERS
PÚBLICO - Trafalgar Square, em Londres
Trafalgar Square, em Londres John Sibley/REUTERS
PÚBLICO - Um jovem detido pela polícia durante os protestos contra a morte de George Floyd junto à embaixada dos EUA, em Londres
Um jovem detido pela polícia durante os protestos contra a morte de George Floyd junto à embaixada dos EUA, em Londres John Sibley/REUTERS
PÚBLICO - Oficiais da polícia tentam manter o controlo durante os protestos em Londres
Oficiais da polícia tentam manter o controlo durante os protestos em Londres John Sibley/REUTERS
PÚBLICO - Pessoas com cartazes durante os protestos contra a morte de George Floyd em Londres, Inglaterra
Pessoas com cartazes durante os protestos contra a morte de George Floyd em Londres, Inglaterra John Sibley/REUTERS
Fotogaleria
John Sibley/REUTERS

Nas redes sociais multiplica-se as convocatórias para novos protestos contra a violência policial nos EUA e pela morte de Floyd a partir de segunda-feira - Bruxelas é uma delas. 

Nos Estados Unidos, os protestos duram desde segunda-feira à noite em várias cidades norte-americanas, com a mobilização para os deter de um pesado aparato policial e militar. 

George Floyd, de 46 anos, foi interpelado pela polícia na passada segunda-feira, por suspeita de ter usado um anota de 20 dólares falsa. Para o imobilizar no chão, um polícia pôs um joelho sobre o seu pescoço - “não consigo respirar”, diz Floyd que morreu ao chegar ao hospital.  

Os polícias foram despedidos e um deles, Derek Chauvin, foi acusado de homicídio. 

Sugerir correcção