Dança, teatro, escrita e reflexão no programa Reclamar Tempo do Teatro Municipal do Porto

A primeira fase do programa coloca os 11 projectos e os 12 artistas seleccionados em trabalho de pesquisa e investigação, e deverá decorrer de Junho a Outubro deste ano.

tiago-guedes,teatro-municipal-rivoli,artes,teatro,culturaipsilon,danca,
Foto
Teatro Rivoli Miguel Nogueira

Projectos nas áreas da dança, do teatro, envolvendo cruzamentos disciplinares, escrita e reflexão em artes performativas, estão entre os 11 seleccionados para o programa Reclamar Tempo - Pesquisa e Investigação Artística, anunciados esta sexta-feira pelo Teatro Municipal do Porto (TMP).

Os projectos escolhidos são da autoria de Ana Renata Polónia (na área Dança/Cruzamentos Disciplinares), Flávio Rodrigues (Cruzamentos Disciplinares), Gil Delindro (Cruzamentos Disciplinares), Joclécio Azevedo (Dança/Escrita e Reflexão em Artes Performativas), Jorge Gonçalves (Dança), Luís Araújo (Teatro/Cruzamentos Disciplinares), Mafalda Banquart e Emanuel Santos (Teatro/Escrita e Reflexão em Artes Performativas).

Foram também seleccionados os projectos de Maria Trabulo (Cruzamentos Disciplinares/Escrita e Reflexão em Artes Performativas), Rebecca Moradalizadeh (Cruzamentos Disciplinares/Escrita e Reflexão em Artes Performativas), Rogério Nuno Costa (Teatro/Escrita e Reflexão em Artes Performativas) e Vinicius Massucato (Teatro/Cruzamentos Disciplinares).

A primeira fase do programa coloca agora os 11 projectos e os 12 artistas seleccionados em trabalho de pesquisa e investigação, e deverá decorrer de Junho a Outubro deste ano. A segunda fase está prevista para o primeiro trimestre de 2021, segundo o calendário previamente anunciado, e prevê uma residência artística e a partilha da pesquisa feita.

Reclamar Tempo, anunciado no início de Maio pelo TMP, “é um programa de pesquisa e investigação”, surgido no contexto de confinamento em resposta à pandemia de covid-19, com a preocupação de “aprofundar discursos artísticos na cidade”, “resgatar tempo para investigar, solidificar ideias, gerar discurso e pesquisar práticas”, que venham a ter impacto em futuras criações.

Com o programa, o TMP, que engloba as salas do Rivoli e do Campo Alegre, visa incentivar o trabalho de investigação de artistas a residir ou a trabalhar no concelho, e reforçar “o apoio ao trabalho de pesquisa e investigação em áreas de criação como dança, teatro, performance, circo contemporâneo, cruzamento disciplinares, escrita e reflexão em artes performativas”.

Para a coreógrafa Cristina Planas Leitão, um dos membros do júri, “a existência de programas que apoiem a investigação e a pesquisa artística é de extrema importância para enriquecer o tecido cultural da cidade e aprofundar discursos artísticos, permitindo uma velocidade de trabalho mais pausada e não somente focada na criação de um produto final”.

A selecção das propostas foi feita por um júri composto pelo encenador Pedro Barreiro, programador do pólo Rua das Gaivotas 6, de Lisboa, e pela dupla de artistas plásticos Daniel Moreira e Rita Castro Neves, além de Cristina Planas Leitão, assistente de programação do TMP.

No total, foram apreciados 165 projectos de investigação. Para a selecção final, o júri guiou-se por “um conjunto de critérios, como a adequação da proposta ao contexto actual, perfil e percurso do candidato, a clareza e sistematização do projecto de pesquisa, e o factor inovador e potenciador de novos discursos artísticos”.

Sugerir correcção