Fotogaleria

Rui reinterpreta os rabiscos de crianças — e transforma-os em personagens ilustradas

DR/Rui Sousa
Fotogaleria
DR/Rui Sousa

A ideia já lhe ia na cabeça "há algum tempo", mas conseguir a atenção "dos miúdos e dos pais", entre escola e outras actividades, nem sempre é fácil. Por isso, Rui Sousa, artista plástico natural de Valongo, aproveitou o período de confinamento para lançar o convite: "Propus aos pais que pedissem aos filhos para fazer um desenho de um monstro ou de um animal e eu depois faria a interpretação desse desenho segundo o meu traço."

Chamou ao projecto Isolamento Criativo e a ideia era, essencialmente, "entreter e ocupar a cabeça dos miúdos com algo que não fosse o vírus e a seca de terem que estar fechados em casa". O resultado foram mais de 200 desenhos a chegar-lhe, espalhados entre mensagens e posts do Facebook ("recebi alguns que nem sei onde estão") e o desafio de os reinventar a todos. "O segredo é tentar entrar dentro da cabeça deles, tentar perceber o que estão a representar", explica. Assim, conseguiu transformar um conjunto de rabiscos desordenados em personagens mais reais, que preservam o traço infantil e a cor dada pelas crianças. "Os pais que me deram feedback disseram que os filhos conseguiam ver aquilo que queriam representar", afirma. 

Para os interessados em adquirir o desenho reinterpretado pelo artista, Rui fez "um preço simbólico". Agora, terminado o período de confinamento, o projecto vai continuar, mas apenas por encomenda. Basta enviar um desenho feito por uma criança para o artista, via redes sociais. E não importa o quão abstractos pareçam os traços — a piada está mesmo aí. 

DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
DR/Rui Sousa
Sugerir correcção