Quer fazer testes à covid-19 nas próximas semanas? Maioria diz que não

Estudo do ISPUP/INESC TEC, com o apoio do PÚBLICO, revela que há mais pessoas que pretendem fazer o teste à presença de anticorpos do que à infecção propriamente dita. Mas, em ambos os casos, são muitos mais os que não querem fazer qualquer um desses testes.

Apenas 13,3% das mulheres inquiridas admitiram fazer o teste à presença da covid-19
Foto
Apenas 13,3% das mulheres inquiridas admitiram fazer o teste à presença da covid-19 Paulo Pimenta

Raquel Lucas estava à espera de mais indecisos. Quando a investigadora analisou as respostas às questões “Durante as próximas semanas, planeia fazer um teste para saber se está infectado (pesquisa do vírus com zaragatoa do nariz e da garganta) pelo novo coronavírus (covid-19)?” e “Durante as próximas semanas, planeia fazer um teste para saber se já esteve infectado (teste de imunidade numa amostra de sangue) pelo novo coronavírus (covid-19)?” ficou surpreendida com as percentagens encontradas: os indecisos não iam além de 13,3% no primeiro caso e dos 17,7% no segundo. Este é um dos dados do estudo Diários de uma Pandemia, uma iniciativa do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) e do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), que conta com o apoio do PÚBLICO. A maior parte dos inquiridos não pretende fazer qualquer um dos testes.

“Uma coisa que acho particularmente interessante e surpreendente é a quantidade de pessoas que ainda não decidiram se vão avançar com testes ser relativamente baixa. Imaginava que houvesse mais pessoas que tivessem essa dúvida, dado o que ainda não sabemos, que existissem mais indecisos”, disse a investigadora do ISPUP. E se os indecisos não são muitos, os que não pretendem fazer qualquer um dos testes representam a maioria entre os 5085 participantes que, entre 1 e 18 de Maio, responderam a um conjunto de perguntas relacionadas com o desconfinamento.

De acordo com os resultados recolhidos, 72,6% dos inquiridos não pretende fazer um teste à presença do vírus e 54,8% não quer verificar se tem anticorpos à doença. No sentido oposto, apenas 14,1% diz ter a intenção de realizar um teste à presença do vírus e 27,5% quer verificar se tem alguma imunidade à doença. 

Mais um dado que surpreendeu a investigadora: “Que haja mais gente a querer fazer o teste de imunidade, porque nesta altura não sabemos exactamente o que a imunidade vale. Nem sabemos a qualidade dos testes. Em termos da dinâmica da infecção na população, estes testes são particularmente importantes, mas em termos individuais têm um benefício limitado e, ainda assim, há o dobro de pessoas a querer fazer este teste, comparando com o outro”.

Apesar das dúvidas que ainda persistem sobre os testes à imunidade, há uma explicação para esta vontade, que não escapa a Raquel Lucas. “As pessoas querem ficar descansadas. Mas, a verdade é que mesmo que uma pessoa tenha anticorpos, isso não significa que vai ficar imune para sempre”, diz.

Aos participantes que disseram que pretendiam fazer qualquer um dos testes foi-lhes perguntado se mantinham essa intenção, caso tivessem de pagar pelos mesmos. No primeiro caso (teste à presença do vírus), apenas 13% dos que disseram querer fazer o teste estavam dispostos a pagar, enquanto no segundo, a percentagem sobe para 22,2%.

Nada que ponha em causa a realização dos mesmos, acredita Raquel Lucas, já que os primeiros, desde que feitos no Serviço Nacional de Saúde, não implicam custos para os cidadãos. No caso dos segundos, ainda podem acontecer mudanças. “O caso do teste à presença de anticorpos é diferente. Ou a pessoa está envolvida em algum rastreio – como algumas empresas estão a fazer, assumindo os custos ou terá de pagar. Mas não creio que possa haver uma barreira enorme, não creio que vá ser regra as pessoas disporem de dinheiro para adquirirem um teste de anticorpos”, defende a investigadora, afirmando que se for decidido politicamente que é preciso fazer mais testes, o mais certo é haver alterações no acesso.

Mais homens admitem fazer testes

Olhando para o perfil dos inquiridos, percebe-se que há mais mulheres a decidir não fazer qualquer um dos testes (74% no caso dos testes à presença do vírus e 55,4% no outro), com os homens logo atrás (68,1% e 52,5%, respectivamente) e que as pessoas mais disponíveis para realizar o teste à presença dos vírus têm entre 40 e 49 anos (15,5%) ou mais de 60 anos (15,6%). Nos testes à imunidade, são os participantes entre os 40 e 49 anos que se destacam, correspondendo a 31,5% das pessoas que pretendiam fazê-los, seguidos da faixa etária dos 50 aos 59 anos, com 27,5% das respostas positivas. 

Quanto mais baixo é o rendimento familiar disponível maior é a intenção de o inquirido realizar qualquer um dos testes. Das pessoas que reconheceram ter um “rendimento insuficiente”, 28,9% disse querer fazer o primeiro teste (contra 8,8% dos que dizem ter uma situação económica “confortável) e 44,3% pretendem fazer o segundo – para este teste, entre os que têm maiores rendimentos há 22,3% que querem fazê-lo. “Provavelmente, as pessoas com menores rendimentos sentem que estão mais expostas por motivos profissionais, pelo tipo de trabalho que têm, por isso há mais a querer fazer os testes”, admite Raquel Lucas. 

Uma análise que também pode funcionar em sentido inverso. Entre os profissionais de saúde, 78,6% disseram não pretender fazer o teste à presença do vírus, eventualmente porque já o terão feito. Em relação ao teste aos anticorpos, a percentagem dos que recusam o teste é menor (54,3%).

Os profissionais de saúde são mesmo os que mais se distinguem, na resposta à (não) intenção de fazer testes à presença da covid-19, já que as diferenças entre todos os outros sectores de actividade – primário ou secundário, alojamento, restauração e similares ou outras profissões do sector terciário - são pouco significativas, com os profissionais ligados ao alojamento e restauração a apareceram como os que mais querem ser testados, correspondendo a 21,7% dos inquiridos que estavam a trabalhar.

No que se refere à escolaridade, são aqueles que concluíram o ensino secundário que mais querem ser testados à presença da covid-19 (20,5%) ou de anticorpos (29,4%). Raquel Lucas considera, contudo, que não “é tão evidente” a existência de respostas diferentes relacionadas com a escolaridade, o que já não acontece com a disponibilidade para pagar um teste e os rendimentos existentes.

Apesar de serem as pessoas com menos rendimento que mais querem fazer os testes, são também elas, como seria de esperar, que estão menos disponíveis para os pagar. Só 2,6% das pessoas com rendimento insuficiente afirmaram que avançariam na mesma com o teste à covid-19 se tivessem de o pagar (são 23,1% entre os que têm um rendimento “confortável”) e 4,8% responderam afirmativamente à mesma pergunta sobre o teste à imunidade (37,7% dos que têm um rendimento confortável manifestaram essa disponibilidade).

Sugerir correcção