Nicarágua: um regime que prefere matar a morrer

O sandinismo, que há muito se enganou de rumo, perdeu as referências, viola os direitos humanos e parece jogar a sua sobrevivência apostando na pandemia de covid-19. A Fundação Arias fala num “genocídio induzido por uma negligência criminal”. Projecções prevêem 265 mil mortos.

Funcionários preparam caixões na oficina de uma funerária em Manágua
Fotogaleria
Funcionários preparam caixões na oficina de uma funerária em Manágua OSWALDO RIVAS/Reuters
direitos-humanos,america-latina,protestos,mundo,nicaragua,america,
Fotogaleria
Rapaz vende folhas de eucalipso em Manágua, consideradas localmente um remédio para a covid-19 LUSA/Jorge Torres
direitos-humanos,america-latina,protestos,mundo,nicaragua,america,
Fotogaleria
O Presidente Daniel Ortega Reuters/OSWALDO RIVAS
direitos-humanos,america-latina,protestos,mundo,nicaragua,america,
Fotogaleria
Nicaraguenses protestam na Costa Rica LUSA/Jeffrey Arguedas

Dionisio “Nicho” Marenco morreu na terça-feira com problemas respiratórios. Tinha 73 anos e estava afastado da política activa desde que deixou de ser presidente da câmara de Manágua em 2008. A sua morte é um exemplo de como o Governo de Daniel Ortega e Rosario Murillo se afastou tanto dos ideais sandinistas que figuras chave da história política da Nicarágua como Marenco morrem de forma mais discreta do que mereciam.