Artistas que actuam online? É para pagar s.f.f.

Músicos e técnicos viram as suas agendas paralisadas nos últimos meses. Há já várias soluções que lhes garantem algum tipo de remuneração para as suas actuações não presenciais.

Foto
Concerto online de António Zambujo Nuno Ferreira Santos

Na última quinta-feira, profissionais das artes saíram à rua em 17 cidades do país para protestar contra os parcos apoios dados a uma classe que viu os seus rendimentos desaparecerem na quase totalidade durante esta época de pandemia​Na próxima segunda-feira, um grupo de trabalhadores da área quer entregar dinheiro — 219 euros, numa referência ao valor máximo do apoio a trabalhadores independentes por redução de actividade​ — e um cabaz de alimentos a Graça Fonseca, ministra da Cultura. Há três semanas, o comunicado Unidos pelo presente e futuro da Cultura em Portugal, vindo de 14 associações formais e informais ligadas à actividade artística e com um apelo à criação de estratégias “a curto, médio e longo prazo” para o sector e à protecção dos seus trabalhadores, ganhou adesão internacional com manifestações de apoio por parte de figuras como os coreógrafos Meg StuartSidi Larbi Cherkaoui e Damien Jalet.