Covid-19: Apesar de 6000 casos num dia, Índia tenta aliviar quarentena

Aumento substancial de casos surge numa altura em que o país começa a levantar algumas medidas de restrição. A partir de segunda-feira, companhias áeras retomam actividade dentro do país, com limitações. Regresso de trabalhadores migrantes faz temer aumente de casos no interior.

coronavirus,bombaim,narendra-modi,mundo,india,asia,
Fotogaleria
Milhares de migrantes estão retidos em Bombaim, aguardando para regressar a casa LUSA/DIVYAKANT SOLANKI
coronavirus,bombaim,narendra-modi,mundo,india,asia,
Fotogaleria
Autoridades começaram a levantar medidas de segurança LUSA/HARISH TYAGI
coronavirus,bombaim,narendra-modi,mundo,india,asia,
Fotogaleria
Confinamento está em vigor até 31 de Maio LUSA/DIVYAKANT SOLANKI
coronavirus,bombaim,narendra-modi,mundo,india,asia,
Fotogaleria
Índia regista cerca de 120 mil casos de covid-19 Reuters/AMIT DAVE

Nas últimas 24 horas, a Índia registou seis mil novos casos de covid-19, o maior número de casos diários no país desde o início da pandemia. Segundo os dados da Universidade Johns Hopkins, a Índia contabiliza 119.419 pessoas com covid-19 e 3599 mortes causadas pelo vírus.

Nova Deli é o principal foco de contágio, tendo registado 660 novos casos na sexta-feira, elevando para 12 mil o número de infecções na capital, que tem, há quatro dias consecutivos, mais de 500 novos casos diários. Bombaim, Gujarat e Tamil Nadu são outros pontos em que o contágio está a ser mais acentuado.

Apesar deste aumento significativo, as autoridades indianas preparam-se para começar a levantar algumas medidas de segurança, aliviando, assim, uma rigorosa quarentena que vigora desde 25 de Março. Os governadores das regiões menos afectadas começam a ter alguma autonomia para definir medidas de desconfinamento apesar de as ordens serem para manter ao máximo o distanciamento social. O confinamento decretado pelo Governo nacionalista hindu de Narendra Modi vigorará, pelo menos, até ao próximo dia 31 de Maio. 

No entanto, a partir da próxima segunda-feira, 25 de Maio, as companhias áreas indianas têm autorização para retomar cerca de um terço dos seus voos, mas apenas em rotas dentro do país e sob regras bastante rigorosas. Segundo a agência ANI, a Air India passará a realizar cerca de oito mil voos por semana nos próximos três meses.

“Durante o confinamento, nenhum transporte público – autocarro, comboio ou avião – era permitido, a não ser para situações excepcionais. Agora, enquanto as medidas de confinamento começam a ser aliviadas, a actividade está a recomeçar. Os voos domésticos retomam a partir de segunda-feira, 25 de Maio, de forma calibrada”, anunciou o ministro da Aviação Civil, em entrevista ao The Indian Express.

Regresso de migrantes gera preocupação

Algumas excepções nos transportes no país verificaram-se com o regresso controlado de alguns trabalhadores migrantes aos seus estados de origem. Com as primeiras medidas de desconfinamento, as autoridades locais temem agora um regresso em massa de trabalhadores provenientes, sobretudo, das maiores cidades do país, como Nova Deli ou Bombaim, que ficaram sem emprego devido à pandemia e, em muitos casos, sem casa.

No início de Maio, o Governo indiano facultou comboios para o regresso a casa destes migrantes, impondo medidas de quarentena obrigatória após o regresso. No entanto, milhares de pessoas continuam retidas em Nova Deli e em Bombaim, aguardando pelo momento para regressar a casa. 

A maioria destes trabalhadores exercia nos sectores de construção e em fábricas, quase sempre inseridos no sector informal. Com o aliviar do desconfinamento, começam a regressar a casa temendo-se o aumento de contágios fora dos grandes centros urbanos. No estado de Bihar, por exemplo, é expectável que regressem cerca de dois milhões de migrantes nos próximos meses, sendo que, desde o início de Maio, cerca de 70% dos casos de coronavírus neste estado do Leste indiano eram provenientes de trabalhadores migrantes, segundo a Reuters.

Sugerir correcção