Manuel Monteiro é de novo militante do CDS

A cerimónia de refiliação decorreu na segunda-feira. “Quando se ambiciona conquistar o futuro, tem de se juntar o passado e não excluir pessoas”, afirma Rodrigues dos Santos. Já “Monteiro espera, com convicção, dar um contributo para a afirmação da direita democrática em Portugal”

Manuel Monteiro recebeu o cartão das mãos de Francisco Rodrigues dos Santos na segunda-feira
Foto
Manuel Monteiro recebeu o cartão das mãos de Francisco Rodrigues dos Santos na segunda-feira DR

O antigo líder do CDS Manuel Monteiro é, desde segunda-feira, de novo militante do partido. A cerimónia de refiliação decorreu na sede nacional do CDS, em Lisboa. Ao regressar à militância, como ex-líder, Manuel Monteiro tem assento directo no Senado.

“A aceitação da refiliação de Manuel Monteiro é um sinal de reunificação do CDS e de reunião de todos em torno da história do partido”, declarou ao PÚBLICO o actual presidente do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos, considerando que “quando se ambiciona conquistar o futuro, tem de se juntar o passado e não excluir pessoas”.

Francisco Rodrigues dos Santos garante que “o caminho” que quer para a sua liderança “é alargar, não é estreitar” e garante: “Sob a minha liderança, acolherei todos aqueles que estiveram ligados à família CDS e que querem ajudar neste processo de reafirmação do partido. Comigo, o CDS reunirá todos os que estão, os que estiveram e os que nunca estiveram, mas podem estar.”

Por sua vez, Manuel Monteiro declarou ao PÚBLICO que estará “à disposição da direcção do doutor Rodrigues dos Santos para o que quiser”. O antigo presidente afirmou ainda sobre a sua refiliação: “É um regresso à casa a que estive ligado desde os 14 anos e é um regresso para militante de base. Espero, com convicção, dar um contributo para a afirmação da direita democrática em Portugal.”

Manuel Monteiro tinha pedido a refiliação no CDS, em Setembro, através da concelhia da Póvoa de Varzim. Mas a anterior líder do CDS, Assunção Cristas deixou o processo em suspenso e quando se demitiu, após as legislativas, assumiu que a decisão caberia à direcção seguinte. 

Depois de eleito no Congresso de final de Janeiro, Francisco Rodrigues dos Santos combinou com Manuel Monteiro os termos do seu regresso, mas a pandemia de covid-19 acabou anular o almoço que estava combinado. Só na segunda-feira foi possível realizar a cerimónia.

Manuel Monteiro liderou o CDS entre 1992 e 1998. Em 2003, abandonou o CDS em ruptura absoluta com a liderança e orientação política do então líder Paulo Portas. Fundou o partido Nova Democracia, que liderou até 2008.

Sugerir correcção