Unsplash
Foto
Unsplash

Associação No Bully quer combater o cyberbullying. Be Kind Online é o mote

Em tempos de isolamento, o bullying passou ainda mais das escolas para o digital. Agora, a associação No Bully tem uma comunidade de jovens a apoiar as vítimas com a campanha Be Kind Online.

A campanha Be Kind Online da organização No Bully nasceu como prevenção ao cyberbullying e é direccionada maioritariamente a jovens entre os 14 e os 20 anos. Para além das pessoas da associação (algumas formadas em psicologia), os jovens também recebem o apoio dos embaixadores, que são estudantes de ensino básico, secundário e superior dispostos a ajudar. Até agora, o programa já conta com 46 embaixadores de entre 63 candidatos, mas estes números estão sempre a subir: as candidaturas arrancaram em Abril, mas permanecem abertas. As funções destes estudantes passam pela promoção da campanha, pela criação de conteúdos positivos e pelo apoio aos jovens que sofrem cyberbullying, tentando ainda incentivar os bullies a mudarem de atitude.

Segundo um estudo da Unicef divulgado em Setembro, mais de um terço de jovens de 30 países já sofreu de cyberbulling. E a situação pode ser bastante mais séria agora que o isolamento obriga milhares de jovens a utilizar a Internet para trabalhos escolares, entretenimento e socialização. Raquel Raimundo, presidente da Delegação Regional do Sul da Ordem dos Psicólogos Portugueses, afirma que “a tendência é para que aumentem os casos de cyberbullying e a “passagem de situações de bullying presencial para cyberbullying”. 

No fundo, a Be Kind Online funciona “através da partilha de vídeos e imagens positivas nas redes sociais, da promoção da empatia e bondade e da criação de uma comunidade unida de jovens contra o (cyber)bullying”. A equipa da No Bully Portugal acredita que “uma campanha desenvolvida em conjunto com a comunidade jovem poderá ser uma forma de chegar mais perto dos próprios adolescentes”.

Inês Freire de Andrade conta ao P3 que fundou a associação há quatro anos com a mãe, que é psicóloga. “Nasceu da nossa vontade de criar uma associação sem fins lucrativos direccionada para o tema do bullying, que já era relevante para nós  passei por isso e sei bem qual é o seu efeito. Depois, encontramos um projecto que existe nos EUA – o No Bully – e que já estava bem desenvolvido e decidimos adaptá-lo e criar a organização cá.”

Normalmente, a associação trabalha nas escolas; agora, não o podendo fazer, surgiu a oportunidade de passar a iniciativa para o universo online. “Já estávamos a organizar um programa de embaixadores dentro das escolas e, assim, passou a ser uma coisa aberta a todos através das redes sociais.” Os embaixadores são divididos em equipas distintas: “criação de imagens e vídeos, organização de desafios online, dinamização de lives e podcasts, apoio emocional a jovens a ser alvo de cyberbullying e angariação de parceiros”. Foi também lançado um formulário online, em que todos os que estão a sofrer de cyberbullying podem pedir ajuda.

Sugerir correcção