Torne-se perito Reportagem

Restaurante do Lago: “Vamos com calma. O importante para nós era recomeçar”

Em Santa Maria da Feira, as “saudades” e o tempo primaveril levaram clientes habituais ao restaurante situado no Europarque. “Sentíamos bastante falta disto, de poder almoçar fora em família.”

restaurantes,restauracao,alimentacao,gastronomia,santa-maria-feira,fugas,
Foto
DR

Chegamos às 12h30 em ponto. Há mais de dois meses que não pomos os pés num restaurante, o momento é quase solene. Cruzamos a porta, pisamos o tapete onde há desinfectante para o calçado e um funcionário escondido por trás de uma máscara convida-nos a desinfectar as mãos. Esperamos uns minutos que higienizem a mesa e as cadeiras e só depois nos sentamos.

Não há a carta tradicional, que no Restaurante do Lago, em Santa Maria da Feira, implantado nos terrenos do Europarque, até é alargada. O menu do dia é dito em voz alta e a lista habitual consulta-se através de um código QR.

Aos nossos olhos, a sala, desafogada, parece-nos composta, mas o gerente José Resende tem outra percepção. Estão feitas “umas 45 reservas”, mas, numa segunda-feira normal, “ainda por cima com o tempo” primaveril que se faz sentir, serviria “uns 120 almoços”. “Isto, como está hoje, não é rentável, mas vamos com calma. O importante para nós era recomeçar”, diz. Mas esta não é uma segunda-feira normal: este é o primeiro dia do resto da vida dos restaurantes, fechados há mais de dois meses à conta da pandemia de covid-19.

Com capacidade para 160 pessoas, o Restaurante do Lago, encerrado desde 14 de Março, apresenta-se agora com 70 lugares sentados. Fizeram-se todos os ajustes para respeitar o distanciamento entre clientes, os 38 funcionários receberam “formação muito exaustiva” para lidarem com a nova realidade e investiu-se em “sinalética” para informar os clientes sobre as novas regras, refere José Resende.

PÚBLICO -
Foto
DR

O mais importante, sublinha, foi o esforço “com o pessoal”. “Para além de todas as regras que instituímos ao nível dos vestiários, insistimos muito na melhor forma de manusear os utensílios e de circular no restaurante. Na cozinha, por exemplo, temos desinfectante de cinco em cinco metros, para que não haja hipótese de os funcionários não o usarem. Comprámos melhores detergentes, cinco ou seis vezes mais caros, mas que nos dão todas as garantias. Comer no Restaurante do Lago é uma experiência segura”, garante.

Os clientes acham o mesmo. Bruno Carvalho e Gonçalo Menezes são frequentadores habituais, “pelo menos uma vez por semana”. Vieram no primeiro dia porque já sentiam “saudades da comida” e da “liberdade” de poderem tomar uma refeição fora de casa. Trabalham ambos na área da publicidade e quando souberam da reabertura do Restaurante do Lago ligaram logo “a marcar mesa”. “Em momento algum senti receio de vir cá”, diz Bruno. Gonçalo completa: “Se nós nos precavermos, vai tudo correr bem. Aos poucos, temos que voltar ao normal.”

Quando soube que os restaurantes iam reabrir, Ivan Silva escolheu imediatamente o Lago para o almoço da rentrée. Veio com a mulher e os dois filhos e para Duarte, de nove anos, esta foi mesmo a primeira saída de casa dos últimos dois meses. “Quando entrámos no carro ele disse: ‘Ui, há tanto tempo que não andava de carro’.”

“Sentíamos bastante falta disto, de poder almoçar fora em família, e este restaurante foi a nossa primeira escolha. É um sítio de que gostamos e sabíamos que iríamos ter todas as condições para comer em segurança”, comenta Ivan, para quem a fruição da refeição não ficou estragada pelo aparato das medidas de segurança. “Talvez por já termos a experiência do supermercado, nem liguei ao facto de os empregados estarem de máscara…

É a nossa vez de nos sentarmos e apreciarmos a primeira refeição fora de casa depois de mais de dois meses de confinamento. Sabemos ao que vimos: caril de gambas, por favor. Está como era suposto – se calhar até melhor, as saudades têm destas coisas. Sobremesa? Claro, queremos tudo a que temos direito. Tarte de limão merengada com sorvete de Granny Smith. Quem sabe não repetimos a dose em breve? Já na quarta-feira, o Restaurante do Lago vai estrear um serviço de take-away e delivery que complementará a oferta na sala.