Cidades

Elogio das coisas simples

O fotógrafo Alfredo Cunha pontuou as idas aos cenários da pandemia com o registar de imagens do seu quotidiano.

Alfredo Cunha
Fotogaleria
Alfredo Cunha

Nestes tempos de clausura, muitos de nós deparamo-nos com a satisfação de descobrir a importância das coisas simples. Com o mundo em modo distópico, um raio de sol, o correr da água, a cor de uma rosa, o afago de um cão, podem ser transformados num poema épico de resgate das coisas boas da vida. Perante a cidade que se tornou estranha, habitada por tempos fantasmagóricos e gente a quem as máscaras roubam a capacidade de sorrir, o campo, com o seu jeito de eternidade imutável, surge como o refúgio dos dias em que sabíamos onde estávamos.

O fotógrafo Alfredo Cunha pontuou as idas aos cenários da pandemia com o registar de imagens do seu quotidiano. Como à procura de um remédio que nos permita limpar o olhar de tanto sofrimento. David Pontes

Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Alfredo Cunha
Sugerir correcção