Acções da Moderna disparam após divulgação de resultados da vacina da covid-19

Empresa farmacêutica Moderna anunciou que resultados preliminares de ensaios em humanos de uma vacina contra o novo coronavírus mostram que esta aparenta ser segura e capaz de estimular uma resposta imunitária contra o vírus. Há, em todo o mundo, oito vacinas em testes em pessoas.

Foto
Moderna Therapeutics, com sede em Massachusetts (EUA) BRIAN SNYDER/Reuters

A empresa farmacêutica Moderna anunciou esta segunda-feira que resultados preliminares de ensaios clínicos (em humanos) de uma vacina contra o novo coronavírus mostram que esta aparenta ser segura e capaz de estimular uma resposta imunitária contra o vírus. O anúncio causou rapidamente impacto em Wall Street, com as acções da empresa a subirem mais de 25%.

O anúncio teve por base os resultados da análise da evolução das primeiras oito pessoas às quais foram administradas duas doses da vacina experimental, durante a primeira fase do estudo. A 16 de Março, a Moderna Therapeutics, com sede no Massachusetts (EUA), foi a primeira empresa a anunciar os primeiros testes em humanos de uma vacina baseada em ARN-mensageiro.

Os oito voluntários (pessoas saudáveis) que receberam a vacina, com idades entre os 18 e 55 anos, produziram anticorpos, que foram depois testados em células humanas em laboratório, que se revelaram capazes de impedir o vírus de se replicar — o que poderá vir a ser um factor-chave para o desenvolvimento de uma vacina eficaz.

Segundo o diário New York Times, os níveis dos chamados “anticorpos neutralizantes”, cuja produção foi estimulada pela vacina, eram semelhantes aos níveis de anticorpos encontrados em amostras de sangue de pacientes que recuperaram da covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus.

Em comunicado, a Moderna destaca, por sua vez, que os participantes tinham níveis destes anticorpos “iguais ou superiores” aos “geralmente observados” nos doentes recuperados e que a vacina revelou ser “segura e geralmente bem tolerada”.

A empresa revela que estão também disponíveis resultados pré-clínicos de um estudo, realizado em ratinhos de laboratório, que mostrou que a vacina mRNA-1273 “impediu a replicação viral nos pulmões de animais com SARS-CoV-2”.

No entanto, o processo de desenvolvimento e testagem da vacina encontra-se numa fase inicial e existem ainda poucos dados, havendo por isso alguma incerteza sobre o potencial da vacina testada.

A Moderna garante que está a acelerar o processo, sendo que a segunda fase envolverá 600 pessoas e deverá começar em breve. Já a terceira fase dos ensaios clínicos, que irá envolver milhares de voluntários, está prevista começar em Julho. No início deste mês, a FDA (Food and Drug Administration), entidade reguladora dos fármacos nos Estados Unidos, deu luz verde à empresa farmacêutica para prosseguir com a segunda fase.

“Apesar de iniciais, os dados agora revelados demonstram que a vacinação com mRNA-1273 provoca uma resposta imune”, afirma Tal Zaks, director médico da Moderna, em comunicado. Caso tudo corra conforme o previsto, a vacina poderá estar disponível para uso generalizado até ao final deste ano ou início de 2021, acrescenta Tal Zaks, citado pelo New York Times, embora sem detalhar quantas doses poderão vir a estar disponíveis.

“Estamos a investir para ampliar a produção, para que possamos maximizar o número de doses que podemos produzir e para ajudar a proteger o maior número possível de pessoas do SARS-CoV-2”, reafirma director executivo da Moderna, Stéphane Bancel.

Apesar das muitas incertezas ainda existentes, o anúncio da Moderna encorajou os investidores em Wall Street, com as acções da empresa a aumentarem mais de 25% esta segunda-feira. Esta evolução da empresa acabou por estimular os investidores de forma mais generalizada, com os índices bolsistas norte-americanos a subirem entre 2% e 3% e os europeus a valorizarem ligeiramente acima dessa fasquia. O sentimento de optimismo que esta notícia trouxe aos mercados acabou por ser completado com nova garantia da Reserva Federal que tudo fará para travar a espiral económica que se vive nos EUA. Na Europa, o alemão Dax Xetra liderou mesmo os ganhos com uma subida de 4%, beneficiando da confiança dos investidores estimulada pelos primeiros sinais, ainda muito tímidos, de recuperação da maior economia alemã.

De acordo com documentação de 15 de Maio da Organização Mundial da Saúde (OMS), encontram-se em investigação por empresas de biotecnologia, empresas farmacêuticas e universidades 118 candidatas a uma vacina para o SARS-CoV-2.  Entre as dezenas de candidatas, há agora oito vacinas em ensaios em pessoas.