No escurinho do salão, cozinha ou casa de banho, Foggy convida-nos a dançar

Não esperava receber tantos vídeos de tanta gente a dançar. Fechado num apartamento em Lisboa, e “em tempos muito tristes”, Francesco "Foggy" Pintaudi terminava a produção de “uma música bastante alegre”. Antes de Março, o italiano, que se apresenta como Foggy, não esperava lançar esta canção que tem a colaboração de Daniele Pistone e letra de Marcelo Moraes. E se declara simplesmente assim: “No escurinho do salão/Eu gosto de dançar”.

Mas numa altura “em que  todos  estão  tristes, deprimidos, sem trabalho”, alguém gostaria de dançar? Reticente, ele fez o convite com uma música que costuma apresentar ao vivo. E quem espera para voltar a dançar numa pista rodeado de outras pessoas, começou a improvisar pela cozinha, pela casa de banho, varanda ou refugiado no secretismo do quarto. No videoclipe de No Escurinho, editado pelo Contra Campo Colectivo Audiovisual e que se estreia no P3, cabem os “120 vídeos de pessoas de 11 países, todos a dançar a mesma música”, explica Francesco, que vive há quatro anos em Lisboa, depois de passar uns meses no Algarve. 

Foggy é o primeiro projecto em nome próprio (ou antes, em alcunha própria) do músico que acompanhou outras bandas em Milão e Berlim. Nasceu em tardes de Inverno fechados em casa, "da amizade e de colaborações" com outros músicos, à distância e noutra línguas, como agora, na mesma festa e lado a lado num futuro próximo, espera. "O vídeo foi pensado para lembrar a importância de nos divertirmos e sermos criativos, mesmo em tempos difíceis. Na minha cabeça, era uma oportunidade para continuarmos a fazer algo juntos.” Vamos dançar?

Sugerir correcção