“Não vou esperar f... alguém da minha família.” Vídeo mostra pressões de Bolsonaro sobre Moro

A gravação em vídeo de uma reunião do Governo brasileiro revela o Presidente a ameaçar o ex-ministro da Justiça Sergio Moro se este não afastasse comandante da Polícia Federal do Rio.

,Ministro
Foto
Moro diz que foi pressionado durante meses por Bolsonaro para substituir comando da PF Reuters/Adriano Machado

Aos poucos, o inquérito movido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) vai pintando um quadro cada vez mais desastroso para o Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, sobre quem recaem suspeitas de tentar interferir na Polícia Federal (PF). Uma gravação de uma reunião entre ministros, em Abril, mostra Bolsonaro a levantar preocupações com investigações policiais em curso no Rio de Janeiro que visam familiares e a ameaçar demitir responsáveis da polícia e o próprio ministro da Justiça da altura, Sergio Moro.

O vídeo da reunião de 22 de Abril foi exibido na terça-feira a um grupo restrito de responsáveis pelas investigações e é considerado uma peça crucial para averiguar qual o nível de interferência de Bolsonaro na PF.

De acordo com várias fontes que viram a gravação, citadas pela imprensa brasileira, Bolsonaro estava particularmente mal-humorado na reunião daquele dia. Em causa estava o receio de que a família do Presidente estivesse a ser perseguida pela polícia do Rio de Janeiro e, por isso, Bolsonaro exigiu a Moro que substituísse o superintendente da PF carioca.

Se não o fizesse, disse Bolsonaro, trocaria então o director-geral, que na altura era Maurício Valeixo, um aliado do ministro da Justiça. Por fim, o Presidente ameaçou mesmo demitir Moro. Todas estas alterações viriam a concretizar-se poucos dias depois.

“Não vou esperar foder alguém da minha família. Troco todo mundo da segurança. Troco o chefe, troco o ministro”, disse Bolsonaro na reunião, de acordo com as fontes ouvidas pela Globo. Pessoas que estiveram na exibição do vídeo dizem que o seu conteúdo é “devastador” para a defesa do Presidente.

Na terça-feira, alguns ministros do Governo também foram ouvidos no âmbito da investigação. Tanto o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, como o ministro da Secretaria do Governo, Luiz Eduardo Ramos, ambos militares, disseram que na reunião Bolsonaro manifestou descontentamento com a forma como as informações da área da inteligência lhe estavam a ser passadas, mas não interpretaram as palavras do Presidente como pressão para que Moro trocasse os responsáveis da PF. Ainda esta semana será ouvida a deputada Carla Zambelli, que trocou mensagens com Moro em que havia referências às alegadas pressões de Bolsonaro.

Vídeo pode ser divulgado

A divulgação pública do vídeo é a próxima batalha judicial. O juiz do STF Celso de Mello, que chefia a investigação, pediu ao procurador-geral da República, Augusto Aras, para que levante o sigilo da gravação e deu na terça-feira à noite um prazo de 48 horas para o fazer. A defesa de Moro também requereu a sua divulgação na íntegra.

Bolsonaro disse estar disponível para revelar “qualquer parte do vídeo que seja pertinente ao inquérito”. Em declarações aos jornalistas ao fim do dia, o Presidente negou as versões que circularam sobre as suas declarações na reunião ministerial. “Não existem as palavras superintendente ou Polícia Federal [na reunião]”, garantiu. De facto, Bolsonaro refere-se à PF do Rio de Janeiro como “segurança do Rio” durante a reunião, segundo as fontes.

Bolsonaro negou também a existência de qualquer investigação a membros da família e esclareceu que a sua única preocupação é com a segurança dos familiares.

O advogado de Moro, Rodrigo Rio, afirmou que o conteúdo da gravação “confirma integralmente as declarações do ex-ministro” e disse ser “de extrema relevância” que o vídeo seja divulgado publicamente.

A reunião de 22 de Abril foi citada por Moro durante o depoimento que prestou na semana passada como prova de que Bolsonaro queria trocar os comandantes da PF por causa de investigações a familiares. Dois dos filhos do Presidente estão envolvidos em investigações. O vereador Carlos Bolsonaro é suspeito de orquestrar uma campanha de disseminação de notícias falsas a partir do Palácio do Planalto para denegrir a imagem de adversários políticos do Governo.

O senador Flávio Bolsonaro está a ser investigado pelo envolvimento num esquema de desvio dos salários dos seus assessores enquanto era deputado estadual pelo Rio de Janeiro.

Quando apresentou a demissão, a 24 de Abril, Moro justificou a sua saída do Governo com a insistência, que se prolongava há vários meses, de Bolsonaro em trocar responsáveis da PF. Desde que Moro saiu, o Presidente tentou nomear o actual director da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem, um amigo da família e homem de confiança do Presidente, como director-geral da PF.

A nomeação foi bloqueada por uma decisão do STF, e Bolsonaro acabou por desistir da ideia, decidindo então colocar à frente da PF o “número dois” de Ramagem, Rolando de Souza, que no primeiro dia do cargo substituiu o superintendente da polícia do Rio de Janeiro.

A última palavra em relação ao andamento da investigação às alegadas interferências de Bolsonaro na PF cabe ao procurador-geral, que, depois de estarem concluídos todos os testemunhos que podem até incluir o do próprio Presidente — deverá decidir se apresenta uma acusação formal contra o chefe de Estado. Se assim for, ainda é necessária uma maioria de dois terços na Câmara dos Deputados a favor para que Bolsonaro seja julgado.