Novo coronavírus pode nunca vir a ser erradicado, avisa OMS

Na conferência de imprensa da Organização Mundial da Saúde desta quarta-feira, Mike Ryan disse que existem vacinas para outras doenças que ainda não foram erradicadas, como o sarampo. Já o director-geral da OMS referiu que todos devemos contribuir para pôr fim a esta pandemia.

,Organização Mundial de Saúde
Foto
Mike Ryan explicou que o mundo tem algum controlo na forma como lida com a doença, embora seja um “grande esforço” Reuters/Denis Balibouse

O novo coronavírus pode tornar-se endémico como o VIH, disse nesta quarta-feira a Organização Mundial da Saúde (OMS). “É importante colocar isto em cima da mesa: este vírus pode tornar-se apenas mais um vírus endémico nas nossas comunidades, e pode nunca desaparecer”, disse o especialista em emergências da OMS, Mike Ryan, em conferência de imprensa virtual.

Sem se referirem a datas, Mike Ryan explicou que o mundo tem algum controlo na forma como lida com a doença, embora seja um “grande esforço”, mesmo que haja uma vacina — meta que descreveu como difícil de atingir. O especialista observou ainda que existem vacinas para outras doenças que ainda não foram erradicadas, como o sarampo.

Já o director-geral da OMS referiu, na mesma conferência de imprensa, que “está nas nossas mãos e é da responsabilidade de todos, e todos nós devemos contribuir para pôr fim a esta pandemia”. Tedros Adhanom Ghebreyesus salientou que a saúde não pode ser transformada em arma e fez um minuto de silêncio pelos profissionais do sector que morrem “para salvar vidas”.

O alerta foi deixado um dia depois do Dia Internacional do Enfermeiro, mas também horas depois de um ataque a um hospital da organização Médicos sem Fronteiras no Afeganistão, que matou mais de duas dezenas de pessoas, incluindo crianças e enfermeiras.

Tedros Ghebreyesus afirmou que ficou chocado e muito triste com a notícia do ataque e acrescentou que os profissionais de saúde, e os civis, nunca deviam ser um alvo e que o mundo precisa de paz para a saúde e de saúde para a paz.

“Num momento de pandemia peço a todos que deixem a política de lado e dêem prioridade à paz, e que haja um cessar-fogo global para terminar com a pandemia. A cada dia sem um cessar-fogo há mais pessoas a morrer de forma desnecessária”, alertou na conferência de imprensa, destinada a dar conta da evolução do novo coronavírus, que provoca a doença covid-19.

Tedros Adhanom Ghebreyesus alertou para a vulnerabilidade das pessoas detidas face à covid-19 e lembrou também as últimas estatísticas mundiais para dizer que, se por um lado hoje as pessoas vivem mais anos e com mais saúde, uma evolução especialmente em países pobres, por outro a taxa de progresso é muito lenta, com a covid-19 a piorar a situação. 

Questionado pelos jornalistas sobre a questão das fronteiras, Mike Ryan disse que não considera haver grandes riscos na abertura de fronteiras terrestres entre dois países que tenham o mesmo tipo de gestão da doença, avisando que “é mais complexo” abrir as fronteiras aéreas.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 292 mil mortos e infectou mais de 4,2 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Sugerir correcção