CDS pede que Governo seja “rápido” a devolver IRS como foi no caso do Novo Banco

Francisco Rodrigues dos Santos diz que há “milhões de portugueses” à espera do reembolso.

Francisco Rodrigues dos Santos
Foto
Líder do CDS insiste no mecanismo de acerto de contas LUSA/ANTÓNIO PEDRO SANTOS

O líder do CDS apela a que o primeiro-ministro “seja tão rápido” a fazer o reembolso de IRS “como foi a transferir dinheiro para o Novo Banco”. O apelo de Francisco Rodrigues dos Santos foi feito por vídeo enviado às redacções. 

“Há milhões de portugueses que esperam e desesperam, há semanas, que o Governo lhes pague o reembolso de IRS”, afirma, lançando o desafio: “Numa altura de crise social, o CDS apela ao primeiro-ministro que seja tão rápido a pagar o que deve às famílias, como foi a transferir dinheiro para o Novo Banco”.

É a única referência no vídeo à injecção de 850 milhões de euros feita na instituição bancária na semana passada e que motivou um pedido de desculpas por parte do primeiro-ministro à líder do BE, depois de lhe ter garantido, no Parlamento, que não seria nenhuma transferência de verba até à conclusão da auditoria. O secretário de Estado das Finanças, Mourinho Félix, disse ao PÚBLICO que o reforço do empréstimo ao Novo Banco foi “feito na véspera do debate” e a “informação ainda não tinha sido dada” ao primeiro-ministro. 

“Se o Governo cobra de véspera e paga tarde e a más horas, é inconcebível que os portugueses não possam pagar o que devem ao Estado, como por exemplo o IMI, com aquilo que têm a receber de IRS”, diz o líder do CDS, lembrando que esse é o princípio que o partido propõe com a criação de um mecanismo de acerto de contas entre o Estado e os contribuintes.

Nesse mecanismo, o CDS propõe criar uma espécie de conta-corrente destinado a pessoas ou empresas que são devedoras ao Estado (um imposto, uma taxa) e que também são credoras de algum pagamento estatal e permite fazer uma compensação de créditos.