Crónica

Que comunicação e que jornalismo para o mundo pós-coronavírus?

Com as medidas de confinamento tomadas para diminuir a exposição à covid-19, as relações sociais não terminaram, embora muitas tenham sido suspensas ou restritas ao espaço doméstico; do mesmo modo, os processos de comunicação não terminaram; muitos foram interrompidos, outros substituídos pela mediação tecnológica. Tendo-se alterado as relações sociais, alteraram-se os processos de comunicação; alterados estes processos, alteram-se também as relações sociais. Tornou-se, assim, uma evidência o significado substantivo da comunicação humana, determinado pela relação intrínseca entre comunicação e sociedade. A comunicação é consubstancial à criação do eu humano, das relações sociais e da vida social, e não um recurso, um meio para qualquer objectivo; que o seu sentido é dado pela dependência do ser humano — para se constituir como um eu-pessoa e construir, preservar e alterar a cultura das sociedades humanas que dão sentido à sua vida — dos processos de simbolização que ocorrem nas interacções e relações sociais.