Corações ao alto, que reabrem os Jardins da Quinta das Lágrimas e seus amores

“Vede que fresca fonte rega as flores / Que lágrimas são a água e o nome amores”, diria Camões. Quase dois meses depois do encerramento, voltam a abrir-se a visitas os dez românticos hectares de Coimbra sob tutela da Fundação Inês de Castro. A partir de 8 de Maio.

Quinta das Lágrimas
Fotogaleria
Jardins da Quinta das Lágrimas, Turismo do Centro,Turismo do Centro
Fotogaleria
Jardins da Quinta das Lágrimas Fundação Inês de Castro/ Hugo Pinheiro
Quinta das Lágrimas
Fotogaleria
Jardins da Quinta das Lágrimas Fundação Inês de Castro/ António Sachetti
Quinta das Lágrimas
Fotogaleria
Jardins da Quinta das Lágrimas Fundação Inês de Castro
Fotogaleria
Jardins da Quinta das Lágrimas Fundação Inês de Castro/ Hugo Pinheiro
Quinta das Lágrimas
Fotogaleria
Jardins da Quinta das Lágrimas Fundação Inês de Castro
Quinta das Lágrimas
Fotogaleria
Jardins da Quinta das Lágrimas Fundação Inês de Castro
Quinta das Lágrimas
Fotogaleria
Jardins da Quinta das Lágrimas Fundação Inês de Castro
Quinta das Lágrimas
Fotogaleria
Jardins da Quinta das Lágrimas Fundação Inês de Castro
,Lapa dos Esteios
Fotogaleria
Jardins da Quinta das Lágrimas DR/Rota da Bairrada

Encerraram a 13 de Março, por causa do surto de covid-19, mas agora, com o desconfinamento a marcar a agenda nacional, já estão de volta: a partir de 8 de Maio, os Jardins da Quinta das Lágrimas, que rodeiam o hotel homónimo, reabrem ao público. 

“As normas de segurança e de saúde recomendadas pelas autoridades estão asseguradas neste local com mais de sete séculos de história”, garante a Fundação Inês de Castro, gestora do espaço. 

Os jardins reabrem às 15h de sexta-feira e passarão a ter o seguinte horário: de terça a domingo, das 10h às 19h.

PÚBLICO - Jardim da Quinta das Lágrimas
Jardim da Quinta das Lágrimas Fundação Inês de Castro
PÚBLICO - Jardim da Quinta das Lágrimas
Jardim da Quinta das Lágrimas Fundação Inês de Castro
Fotogaleria
Fundação Inês de Castro

E mais: “No grande anfiteatro ao ar livre (Colina de Camões) há espaço para receber pequenas reuniões, como piqueniques ou festas de aniversário, sempre respeitando o limite máximo de dez pessoas e com marcação prévia”.

“Nunca os jardins e as flores foram tão apreciados”, refere a presidente da fundação, Cristina Castel-Branco, no comunicado que anuncia a reabertura.  A arquitecta paisagista e professora assinala que “aqueles que têm a sorte de ter um jardim, um terraço ou uma varanda puderam, nesta Primavera de confinamento e medo, sentir que o mundo das plantas vive o seu próprio ritmo, independente e cumpridor”.

Com a reabertura dos jardins no dia 8 de Maio, diz a responsável, talvez "depois deste Abril difícil e inesquecível possamos reconhecer as flores, os perfumes e os pássaros de Maio para nos ligarmos de novo à vida”.

São dez hectares para passear nesta antiga Quinta do Pombal, que remonta ao século XIV. Reza a história que foi a Rainha Santa Isabel que pediu que aqui se fizesse um canal para levar a água de duas nascentes até ao Mosteiro de Santa Clara.

Uma das nascentes é a Fonte dos Amores, com o canal Cano dos Amores (diz a lenda que as missivas entre D. Pedro e D. Inês de Castro seguiriam por aqui). 

A outra é a Fonte das Lágrimas, cantada por Luís de Camões n’ Os Lusíadas: “Vede que fresca fonte rega as flores / Que lágrimas são a água e o nome amores”. 

A história do jardim pode ser lida no site da fundação, ficando a saber-se que o jardim romântico data de finais do século XIX, repleto de espécies exóticas, incluindo porta e janela neogóticas e um anfiteatro, a Colina de Camões. 

Sugerir correcção