Há mais de 2700 notícias falsas sobre covid-19 por dia

“É inútil lavar as mãos”, e “a covid-19 só é um perigo para os mais velhos” estão entre os exemplos mais comuns. Comissão Europeia detectou, em média, mais de 2700 exemplos de informação falsa publicada nas redes sociais por dia.

Foto
Propagar a ideia que lavar as mãos não faz a diferença pode pôr vidas em risco Daniel Rocha

Em Abril, a Comissão Europeia estava a detectar mais de 2700 exemplos de informação falsa publicada nas redes sociais por dia. “É inútil lavar as mãos”, ou “a covid-19 é apenas um perigo para os idosos” estão entre os exemplos mais populares divulgados num alerta divulgado esta terça-feira sobre como alegações deste tipo “põem vidas em risco”.

Os números, de 29 de Abril, mostram que a desinformação sobre a covid-19 está a aumentar: entre Janeiro e Março, a União Europeia tinha apenas detectado 110 casos de desinformação associada ao novo coronavírus. Aos valores mais recentes de Bruxelas somam-se ainda milhões publicações falsas ou enganosas encontradas por plataformas online, como o Facebook, o Google e o Twitter, que em 2018 se comprometeram a ajudar a União Europeia a combater a desinformação nas suas páginas.

“A desinformação e informação de má qualidade associada ao novo coronavírus, que vai desde a propagação de mentiras, informação de saúde enganosa e fraudes, é um perigo para a saúde pública e para os consumidores”, lê-se no documento da Comissão Europeia.

Bruxelas acrescenta, no entanto, que já foram tomadas várias medidas para prevenir a propagação da desinformação: “A Comissão Europeia e o Serviço Europeu de Acção Externa têm estado em contacto com as grandes plataformas de redes sociais para aumentar a promoção de conteúdo de autoridades de confiança e empreender acções decisivas face a conteúdo falso ou enganos.”

Com isto, o YouTube já retirou mais de 15 mil vídeos com informação enganadora ou perigosa sobre a covid-19, e plataformas como o Facebook e o Instagram estão a divulgar páginas com informação de confiança sobre a covid-19. Mais de dois mil milhões de pessoas, por exemplo, já chegaram à página da Organização Mundial da Saúde através de links divulgados no Facebook e no Instagram. 

Tanto a Google (dona do YouTube) como o Facebook (dono do Instagram, WhatsApp e Messenger) estão entre as plataformas digitais que se comprometeram, no final de 2018, a combater a desinformação nas suas páginas, através da assinatura de um código de conduta contra a desinformação, um mecanismo voluntário de auto-regulação que nos últimos meses tem sido centrado na desinformação sobre a covid-19.

“A pandemia do coronavírus tem mostrado a importância de lutar contra a desinformação, ao mobilizar todas as partes relevantes, desde plataformas ao escrutínio de factos, a autoridades públicas”, destacou, em comunicado, o comissário europeu Thierry Breton, responsável pela pasta do Mercado Interno.

Já o  Grupo de Reguladores Europeus dos Serviços de Media Audiovisuais (ERGA) nota que a proliferação de notícias falsas sobre a covid-19 mostra que “a manipulação de informação representa um risco e sério”, sendo necessário promover a colaboração entre a Comissão Europeia e todas as plataformas digitais activas na União Europeia. 

Uma das ferramentas actualmente disponíveis é o Sistema de Alerta Rápido que permite que várias instituições europeias, plataformas online e Estados-membros colaborem na detecção e partilha de redes de desinformação europeia. 

Fora da União Europeia, alguns países têm optado pela criação de novas leis para combater as notícias falsas. Em Março, por exemplo, o Governo da África do Sul promulgou uma lei que prevê pena de prisão até seis meses para qualquer cidadão que divulgue notícias falsas sobre o novo coronavírus.