Quem permitiu o 1.º de Maio? Pelos vistos, ninguém

Como se já não nos bastasse a coreografia da Alameda, ainda temos de levar com a coreografia dos sonsos e dos distraídos. Assumam, meus senhores.

A entrevista de Rodrigo Guedes de Carvalho à ministra da Saúde deu muito que falar, mas pelas razões erradas. Em vez de se ter perdido tanto tempo a discutir se um jornalista pode fazer perguntas insistentes e desagradáveis a um político (aprende-se nas boas escolas de jornalismo que não só pode como deve), teria sido bastante mais útil contabilizar a quantidade de vezes que Marta Temido utilizou, durante a conversa, a expressão “decreto presidencial” para justificar os acontecimentos de dia 1 de Maio na Alameda D. Afonso Henriques. A repetição do adjectivo “presidencial” após o substantivo “decreto” tem um significado político evidente, sobretudo quando há um decreto do governo a confirmar o decreto presidencial: atirar para cima de Belém a responsabilidade pelo momento Leni Riefenstahl da CGTP.

Os leitores são a força e a vida do jornal

O contributo do PÚBLICO para a vida democrática e cívica do país reside na força da relação que estabelece com os seus leitores.Para continuar a ler este artigo assine o PÚBLICO.Ligue - nos através do 808 200 095 ou envie-nos um email para assinaturas.online@publico.pt.