Primeiro-ministro da Guiné-Bissau e outros membros do Governo têm covid-19

Infecções estão relacionadas com um alto funcionário no Ministério do Interior, que morreu. Há 74 casos de covid-19 no país e 18 recuperados.

,Bissau
Foto
Nuno Nabiam, primeiro-ministro guineense PAULO CUNHA/LUSA

Nuno Nabiam, o primeiro-ministro da Guiné-Bissau, e pelo menos mais três membros do Governo têm covid-19, revelou na televisão pública o ministro da Saúde, António Deuna.

Segundo fonte governamental, tiveram também resultado positivo no teste de despistagem do novo coronavírus o ministro do Interior, Botche Candé, o secretário de Estado da Ordem Pública, Mário Fambé, e a secretária de Estado do Ambiente e Biodiversidade, Mónica Buaro.

A mesma fonte disse que vai requisitar uma unidade hoteleira para instalar os membros do Governo que estão infectados. Estas infecções estão relacionadas com a cadeia de transmissão de um alto funcionário do Ministério do Interior, que morreu no sábado.

Na Guiné-Bissau, governada por Umaro Sissoco Embaló, há, até ao momento, registo de 74 casos de covid-19 e 18 recuperados.

Na sequência da morte do alto funcionário, os serviços administrativos do Ministério do Interior foram encerrados para despistagem da doença a dirigentes e funcionários. Alguns membros do Governo guineenses pediram também para ser submetidos a testes na sequência de contactos com funcionários daquele ministério.

No âmbito do combate à pandemia, as autoridades guineenses encerraram também as fronteiras, serviços não-essenciais, incluindo restaurantes, bares, discotecas e locais de culto religioso, proibiram a circulação de transportes urbanos e interurbanos e limitaram a circulação de pessoas ao período entre as 7h e as 14h.

Umaro Sissoco Embaló prolongou no domingo o estado de emergência até 11 de Maio. Foi declarado pela primeira vez a 28 de Março e já foi prolongado duas vezes.

O número de mortes provocadas pela covid-19 em África subiu para 1467 nas últimas horas, com 33.273 casos da doença registados em 52 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia neste continente.

Sugerir correcção