Manuel Roberto
Foto
Manuel Roberto

Também há profissionais do digital a combater um vírus real nos hospitais

Não usam bata, mas estão nos hospitais todos os dias a garantir que a informação chega aos doentes em tempo real. A equipa de engenheiros, informáticos e matemáticos que se reinventou para combater um vírus que não está nos computadores.

Engenheiros, informáticos e licenciados em Matemática Aplicada dedicam-se “24 horas sobre sete dias por semana” ao combate à covid-19, nos bastidores dos hospitais. São profissionais sem bata que garantem conforto aos doentes e informação em tempo real a quem usa estetoscópio.

“Informamos que o resultado da análise para diagnosticar a covid-19 realizada na consulta do CHUSJ foi negativo” é a mensagem que pelo menos 21.383 pessoas receberam desde 1 de Março no telemóvel, após realizarem o teste de despistagem no Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ), no Porto.

Entretanto, este número de pessoas está sempre a aumentar e, como muitos outros dados, as actualizações são quase ao segundo nas aplicações criadas no Centro de Gestão de Informática e no Serviço de Sistemas de Tecnologias, Informação e Comunicação do CHUSJ. Maria João Campos que, lidera estas áreas, conta como o “ritmo acelerado da covid-19” obrigou a sua equipa a “reinventar-se”.

PÚBLICO -
Foto
Maria João Campos Campos, responsável pela equipa. Adriano Miranda

“Sentiu-se um espírito de missão e, quando se consegue pôr uma equipa a sentir esse espírito, reinventam-se soluções que à partida podiam demorar meses. Trabalha-se 24 [horas] sobre sete [dias]. Aquilo que agora é banal, mas muito importante para o conforto das pessoas, que é esperar por um SMS, tem por trás um trabalho feito em tempo recorde”, descreve a responsável.

O texto que consta nas mensagens — que segue com as palavras “covid-19” e “negativo” em maiúsculas — é produto de um “acerto de agulhas” entre os profissionais da linha da frente e os profissionais invisíveis dos bastidores.

“Nós somos tecnólogos puros. Queremos o número de caracteres correcto e o critério a quem enviar. São os clínicos que definem o tipo de mensagem” a enviar, descreve a responsável, atribuindo a “sensibilidade” às equipas médicas, enquanto a sua trabalha os algoritmos que permitem actualizações em tempo real de quadros e gráficos que permitem, por exemplo, antecipar à sexta-feira quantas camas disponíveis precisará o serviço de infecciologia no domingo seguinte.

“O nosso objectivo é optimizar a disponibilidade dos médicos que têm de ocupar-se com quem precisa. Mas também permitir que o façam de forma segura”, sublinha Maria João Campos.

Em causa está o acesso a dados e a ferramentas que parece banal para quem vê séries televisivas, como os tablets para consulta da ficha do paciente que aparecem ao lado de ventiladores, bisturis e compressas. Mas a verdade é que esse cenário à Hollywood é “reduzido” e “muito diferente” em Portugal, comenta Maria João Campos, sendo verdade também que, num contexto de pandemia, “o uso do papel é complexo” devido ao risco de contágio.

Por isso, foram criados questionários padrão para comunicação interna e um sistema de comunicação via rádio para reduzir o número de entradas e saídas em determinados serviços, bem como evitar o desperdício de equipamentos de protecção individual.

Somam-se ao universo de acções covid-19 milhares de consultas devido a outras patologias que agora são feitas à distância, bem como de reuniões de grupo entre médicos que foram transferidas dos gabinetes para as videoconferências.

“Nem tudo é electrónico em termos de informação clínica do doente. É preciso digitalizar e foram digitalizadas centenas de processos. A falta de uma TAC ou de uma ressonância pode comprometer um tratamento inteiro, ou a falta de um especialista numa determinada reunião de grupo, na discussão de um caso oncológico por exemplo, também. Foi preciso distribuir os meios, dar formação. Foi surpreendente como as pessoas rapidamente conseguiram adaptar-se a ferramentas de trabalho completamente diferentes das que estavam habituadas”, conta Maria João Campos, que trabalha no CHUSJ desde Dezembro de 2015.

Em média, e num contexto pré-pandemia, o Hospital de São João realiza entre duas mil a três mil consultas diárias, um número que “multiplicado por cerca de um mês e meio significa milhares de mensagens enviadas a avisar do cancelamento e milhares de teleconsultas agendadas e realizadas”.

“Agora estamos na fase de preparar o regresso à actividade programada. São outros milhares de mensagens a enviar e a actualização de aplicações sobre blocos operatórios, dados sobre cirurgias”, antecipa Maria João Campos, que lidera a equipa de “tecnólogos puros”, como lhes chama, à qual também coube a missão de criar condições de acesso à rede wi-fi desde o momento em que o Governo proibiu visitas aos hospitais de modo a “dar conforto” a doentes e familiares, ou materializar os sensores de detecção da temperatura corporal no átrio do hospital.