Começa a haver um “relaxamento”. Último fim-de-semana foi aquele em que menos gente ficou em casa

Este foi o fim-de-semana com menos confinamento: 63,9% ficaram em casa, uma queda de 17,7% em relação ao fim-de-semana de Páscoa. Mas é durante a semana que há ainda menos pessoas em casa. Empresa que analisa estes dados fala num “evidente relaxamento, ainda que ligeiro”.

Fotogaleria
Marginal da Foz, Porto Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

O último fim-de-semana de 18 e 19 de Abril foi aquele em que os portugueses menos ficaram em casa desde que foi decretado o estado de emergência por causa da pandemia de covid-19, revelam os dados divulgados pela consultora PSE, especializada em ciência de dados.

A percentagem de pessoas que ficaram em casa no fim-de-semana (63,9%) é até “inferior ao valor verificado no fim-de-semana anterior à declaração do estado de emergência”, refere a empresa, que tem analisado a mobilidade de 3670 pessoas através de uma aplicação no telemóvel – uma amostra representativa da população portuguesa, garantem os responsáveis.

PÚBLICO -
Aumentar

“A tendência é de um evidente relaxamento dos portugueses, ainda que ligeiro, em relação à recomendação de confinamento”, considera a empresa. “Ainda é cedo para tirarmos conclusões, mas a tendência dos últimos dias é no sentido do decrescente confinamento”, resume Nuno Santos, que coordena o projecto da PSE. 

No início da semana, a 20 de Abril, foi também registado o valor mais baixo de confinamento de todas as segundas-feiras: 58% das pessoas estavam em casa. O estado de emergência em Portugal prevê que só se saia em caso de necessidade e está em vigor até 2 de Maio. Não deverá ser renovado, mas o desconfinamento deve ser feito com protecção e cautela, privilegiando-se o teletrabalho e evitando aglomerações.

Ainda que tenha sido o fim-de-semana com menos confinamento – 63,9% ficaram em casa, uma queda de 17,7% em relação ao fim-de-semana de Páscoa –, estes não foram os dias com menos gente fechada nos seus domicílios. “Os valores de confinamento em casa ao fim-de-semana são sempre superiores ao que acontece nos dias de semana”, explica ao PÚBLICO Nuno Santos. Os valores mais baixos de isolamento desde que o país está em estado de emergência (19 de Março) foram registados a 8 de Abril (uma quarta-feira, com 54% das pessoas monitorizadas em casa) e no dia 17 de Abril (sexta-feira, com 51% das pessoas em casa).  

O Domingo de Páscoa foi o dia que registou a mais alta percentagem de isolamento (79%), mas nos dois dias seguintes os valores tinham caído para 56%, um dos mais baixos desde que foi recomendado aos portugueses que ficassem em casa. E continuaram a descer na quinta e na sexta-feira.

“Antes da pandemia, em média, cerca de 25% dos portugueses ficavam em casa com um confinamento ‘natural’, mas o que estamos a ver agora é um confinamento adicional. O confinamento de quem habitualmente tem necessidade de mobilidade”, conta Nuno Santos.

Mobilidade aumenta

A recolha de dados da PSE é feita a partir de uma aplicação em smartphones (com recolha de dados contínua através de monitorização de localização e meios de deslocação via aplicação móvel) e abrange 3670 pessoas com mais de 15 anos das regiões do Grande Porto, Grande Lisboa, litoral norte, litoral centro e distrito de Faro. Ainda que se trate de uma amostra representativa da sociedade portuguesa, os responsáveis do projecto referem que uma das limitações do estudo é o facto de não incluir as regiões do interior e do Alentejo. 

Todas as regras de protecção de dados e respeito pela privacidade estão salvaguardadas e a participação neste projecto decorre apenas com uma “autorização expressa e explícita” dos envolvidos que descarregam a aplicação, com a “garantia de um total anonimato” dos dados. A margem de erro do estudo é de 1,62% para um intervalo de confiança de 95%.

Nestes dados entra ainda outra variável de estudo: os níveis de mobilidade, que vão além da percentagem de pessoas em confinamento. No Domingo de Páscoa, apenas 7% das pessoas analisadas tiveram uma mobilidade de médio ou longo curso (de dez a mais de 20 quilómetros por dia) – até porque estavam proibidas as deslocações para fora do concelho de residência. Neste último domingo, esse valor subiu para 19%. Os dados constam do “índice de risco de mobilidade”, que abrange 45 municípios, e analisa os dados 24 horas por dia, todos os dias do ano.

O projecto começou no início de 2019 ainda antes de qualquer suspeita do vírus SARS-CoV-2 e servia para apoiar empresas e entidades públicas de diversas áreas com dados sobre o movimento das pessoas.