Porto Solidário terá 1,3 milhões de euros e passa a vigorar por dois anos

Oitava edição do programa de apoio ao pagamento da renda reduz taxa de esforço suportada pelos agregados para 25%, em vez dos actuais 33, permitindo apoiar mais gente

Foto
Desde 2104, o Porto Solidário apoiou 2336 famílias Adriano Miranda

À oitava edição, o programa de apoio às rendas, Porto Solidário, passa a dar apoio pelo período de dois anos, em vez de um, e reduz a taxa de esforço dos agregados para 25%, em vez dos actuais 33%, permitindo chegar a mais famílias. A proposta de alteração ao regulamento será voltada na próxima segunda-feira, dia 27, numa reunião de câmara privada e feita online.

As novas regras vão permitir ainda que os actuais beneficiários se candidatem novamente caso o prazo esteja a terminar, sendo o apoio concedido a partir da data da submissão da candidatura.

A proposta de alteração do regulamento partiu do Partido Socialista e foi acolhida pelo executivo de Rui Moreira. O Porto Solidário tem actualmente “duas edições em curso, estando já 491 famílias a receber apoio financeiro para o pagamento das rendas de casa, sendo 443 beneficiárias da 6ª edição e 48 da sétima”, resume a autarquia num comunicado publicado no seu site.

O PS Porto congratula-se, em comunicado, com estas novas medidas e acrescenta que a 8ª edição do programa, que deverá abrir as candidaturas mal o regulamento seja aprovado, terá 1,3 milhões de euros, “a maior dotação orçamental de sempre”. Segundo os socialistas, estas medidas correspondem a duas das suas propostas apresentadas há duas semanas, na última reunião do executivo, onde pedia 25 medidas urgentes para o Porto.

Desde 2104, o Porto Solidário apoiou 2336 famílias, dando um apoio mensal para o pagamento da renda ou da prestação bancária.