Cabo Delgado: o exército moçambicano “é o seu pior inimigo”

“A crescente guerra civil” na província do Norte de Moçambique não tem uma solução militar, menos ainda se os soldados, mal armados e mal alimentados, continuarem a exercer violência sobre as populações, aumentando a popularidade dos insurgentes armados.

Soldados moçambicanos em Cabo Delgado
Foto
Soldados moçambicanos em Cabo Delgado ANTÓNIO SILVA/LUSA

Dois anos e meio depois do começo da insurgência armada na província de Cabo Delgado, no Norte de Moçambique, as Forças de Defesa e Segurança (FDS) não conseguiram ainda dominar a revolta que já deixou para cima de 700 mortos e um número de deslocados superior a 200 mil. E cada dia que passa parecem mais longe de o conseguir fazer.

O grupo armado vem engrossando as fileiras com gente local e jihadistas estrangeiros, melhorou o seu arsenal e a sua rede de informadores, está mais ousada nos seus ataques. Enquanto isso, o moral das tropas vem-se deteriorando, por sentirem que não lhes dão as condições para enfrentar o inimigo e há relatos de deserções.

“Estamos cansados com esta situação que se vive em Mocímboa… Cada dia que passa temos menos logísticas nos acampamentos militares… Muitos de nós para comer temos que pedir nas comunidades… A nossa comida está a acabar nas mãos dos nossos comandantes. Dizem que temos bónus, mas esses bónus nunca chegaram aos soldados rasos”, contava um militar aos investigadores Saide Habibe, Salvador Forquilha e João Pereira em Radicalização Islâmica no Norte de Moçambique - O Caso de Mocímboa da Praia, publicado pelo Instituto de Estudos Sociais e Económicos.

“O exército não pode ser melhor do que o ambiente geral”, diz ao PÚBLICO o sociólogo moçambicano Elísio Macamo, professor de Estudos Africanos na Universidade da Basileia. “O esforço que é necessário para tornar o exército operacional implicaria fazer o tipo de coisas que o Estado moçambicano até aqui não tem conseguido fazer, nomeadamente introduzir mais disciplina, mais cultura institucional, mais criatividade e saber acomodar aqueles que trazem conhecimento consigo. Não vejo mérito nenhum no adversário do nosso exército, infelizmente, ele é o seu pior inimigo.”

Depois de terem sido atacados em determinados postos avançados, os militares decidiram abandonar esses postos e consolidar as suas principais bases, diz o referido estudo, uma manobra que os protegeu, mas deixou as populações sem protecção, o que levou muita gente a fugir, aumentando o número de deslocados e o ressentimento dos cidadãos em relação aos soldados. “Além disso, o exército e a polícia mostram alguma dificuldade em realizar operações militares à noite. Bem informado sobre os seus alvos, o grupo dos Al-Shabab lança a maioria dos seus ataques à noite e raramente enfrenta uma intervenção militar.”

“Talvez por causa das especificidades da nossa história recente, o investimento num exército funcional sempre enfrentou constrangimentos de vária ordem, a principal das quais foi sempre a necessidade de integrar homens dum partido armado”, explica Macamo. “Razão pela qual se investiu mais na Unidade de Intervenção Rápida (UIR) que, contudo, não pode ser a resposta para uma insurgência desta natureza.”

A presença maior do exército e das unidades especiais da polícia (além da UIR, também o Grupo de Operações Especiais – GOE) não trouxe grandes vantagens, porque, como explica Joseph Hanlon, jornalista e investigador norte-americano que há muitos anos reside em Moçambique, “se tornou numa clássica operação antiguerrilha, em que grupos militares, de movimentos mais lentos, tentam capturar grupos de três ou quatro pessoas que se movem rapidamente e usam telemóveis para comunicar”.

Ainda por cima, seja por frustração, retaliação, maldade ou cultura autoritária, os militares acabam por recorrer à violência contra as populações e “a violência da polícia e do exército contra as comunidades tem um efeito de radicalização, fazendo crescer o apoio dos insurgentes”, acrescenta Hanlon, director do Mozambique News Reports & Clipping.

“Desde os ataques, começaram as perseguições a muçulmanos. Era quase proibido usar cofio, ter barba. Houve muitas prisões e abusos”, denuncia Yussuf Adam, historiador, professor na Universidade Eduardo Mondlane – “temos dezenas de exemplos de maus tratos, torturas”. Hanlon confirma: “Centenas de pessoas foram detidas no final de 2017 e princípio de 2018, mantidas presas durante meses e julgadas (ilegalmente) em segredo. Jornalistas também foram detidos e mantidos presos ilegalmente”, afirma.

Como refere Adam, “uma estratégia de luta contra os extremistas tem de ter uma componente militar”, mas esta, por si só, não chega e até se “pode tornar perigosa”. O antigo Presidente Samora Machel “chegou a retirar quadros da frente do Niassa para Nachingwea [base da Frelimo na Tanzânia] porque se estavam a tornar bons matadores e torcionários”.

Para Elísio Macamo, o apoio aos insurgentes “é a atitude real de quem não tem como se defender e se sente desprotegido”. Quando alguém “é poupado pelos seus algozes que fazem o papel de Robin dos Bosques, sente-se aliviado e grato” e se a isso se junta “a indisciplina de alguns membros das FDS que, infelizmente, não têm nenhum respeito pelos civis e submetem-nos a maus tratos”, acabamos num “círculo vicioso: os soldados sentem-se traídos pelas populações e submetem-nas a sevícias, estas, em reacção, tornam-se indiferentes e não colaboram”.

É, por isso, que Hanlon defende que esta “crescente guerra civil não tem solução militar”. Ao ser “alimentada por injustiças”, não conseguirá romper o apoio da população aos insurgentes enquanto o Governo não reparar essas injustiças. E isso passa primeiro por assumir publicamente que existem e que pretende pôr-lhes cobro.

Sugerir correcção