Milo Manara deixou o erotismo (por momentos) para homenagear as “guerreiras” da covid-19

Com a devastação causada em Itália pelo covid-19, as mulheres de Manara passaram de mitos eróticos a heroínas da pandemia.

Foto

A 15 de Março, o italiano partilhou com o mundo uma ilustração um pouco diferente do habitual: uma enfermeira de costas (e completamente vestida) a olhar de frente para o novo coronavírus. Desde então, Milo Manara tem vindo a divulgar uma série de aguarelas a homenagear as diferentes profissões que mantêm o país a funcionar. Profissionais de saúde, mas também trabalhadores de supermercado ou de recolha do lixo, estafetas, carteiros, camionistas e polícias são alguns dos que não podem parar e todos os dias arriscam a vida pela segurança de todos. Tendo o ilustrador dedicado a sua vida a desenhar mulheres, estas figuras são, precisamente, femininas.

Com 74 anos, Milo está há semanas fechado com a esposa na casa de campo de ambos na região de Veneto. O italiano contou ao Washington Post que não estava a conseguir desenhar. “O pavor estava por todo o lado. Não conseguia encontrar o estado de espírito indicado para desenhar algo que parecesse sereno.” Para os que conhecem o seu trabalho, sabem que passou os últimos 50 anos a desenhar o corpo feminino das mais diversas formas, mas mantendo sempre um ambiente mítico, sonhador e a roçar o surreal e a fantasia. No início do isolamento, pôs tudo isso de lado e dedicou-se a “tentar prestar homenagem a estas guerreiras”.

Foto
Milo Manara. DR

Estes retratos representam todos os que são considerados essenciais e, portanto, não podem permanecer seguros em casa. Milo diz que queria “fazê-los sentirem-se menos esquecidos”. “É claro que essas são todas personagens femininas, já que a minha carreira tem sido dedicada principalmente à celebração da beleza feminina. Neste caso, porém, senti que estava na hora de celebrar outras virtudes, como a coragem, a abnegação e o altruísmo. De alguma forma, queria pagar a minha dívida.” Confessa que se sentiu na obrigação de agradecer a estas pessoas – até por, com 74 anos, pertencer a um grupo de risco elevado no que toca à covid-19.

Entretanto, o artista já conseguiu encontrar a inspiração para regressar ao seu trabalho normal, mas vai conciliando a criação dessas ilustrações irreais com a dos retratos bastante reais destas heroínas do isolamento. Para lá do risco a que se expõem todos os que saem à rua, Manara também se mostra preocupado com os perigos que muitas mulheres podem estar a enfrentar dentro das próprias casas, como a violência doméstica e até o femicídio.

Milo Manara
Milo Manara
Milo Manara
Milo Manara
Milo Manara
Milo Manara
Milo Manara
Milo Manara
Milo Manara
Milo Manara
Milo Manara
Milo Manara
Milo Manara
Fotogaleria
Milo Manara

Com um total de 2.388.268 pessoas infectadas com SARS-CoV-2, 164.918 mortos e grande parte do mundo em isolamento, estes heróis da pandemia são os mesmos pelo mundo fora. O italiano diz que tem recebido mensagens provenientes de muitos países. E promete não se esquecer de nenhuma mulher que esteja a combater o vírus na linha da frente — a lista de retratos a fazer ainda é longa, mas Milo Manara garante que os irá fazer a todos. “Estou a eternizá-las em papel para que possamos lembrá-las daqui a um, dois, dez anos. Espero que nos ajudem a entrar num novo mundo.”