Há dez anos, João Garcia cumpria a missão dos 14 “8000”. Um feito sem seguidores

Uma década depois de um português se tornar o 10.º homem no mundo a escalar todas as 14 montanhas mais altas do planeta sem utilizar oxigénio artificial, que herança ficou deste feito? João Garcia inspirou muita gente, mas nem por isso teve seguidores nos tectos do mundo.

Fotogaleria
João Garcia juntamente com Hélder Santos, José Luís Carvalho, Rui Rosado e Bruno Carvalho durante a escalada ao cume do Amadablam, perto do Evereste, em 2004 DR
Fotogaleria
João Garcia na subida ao cume do Amadablam, perto do Evereste, em 2004 DR
,Dispositivo de segurança
Fotogaleria
Subida ao cume do Amadablam, perto do Evereste, em 2004 DR
,Escalada
Fotogaleria
João Garcia na escalada ao cume do Gasherbrum I DR
Fotogaleria
Primeira expedição portuguesa aos Himalaias liderada por João Garcia DR
Montanhismo
Fotogaleria
Subida ao cume do Amadablam, perto do Evereste, em 2004 DR

“Acho que só tive a plena sensação de missão cumprida quando cheguei a Lisboa e vi tanta gente à minha espera.” João Garcia, então com 42 anos, acabara de completar o “Grand Slam” do alpinismo, juntando-se a um grupo de notáveis com menos gente do que o de homens na Lua: escalara todos os 14 picos do planeta com mais de 8000 metros de altitude sem recurso a oxigénio artificial. Tornou-se o 10º a fazê-lo. Estávamos em Maio de 2010. Uma década depois, que é feito dele e dos outros portugueses que partilharam essa aventura?