Fotogaleria
Eddie Nobre, voluntário da Paramédicos de Catástrofe Internacional, começa por ver se Maria Cristina Oliveira tem febre Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Teste rápido ao domicílio dá resultado em cerca de dez minutos Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Equipa montada pela câmara vai realizar os testes junto de 400 residentes no concelho Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Amostra de sangue obtém-se através de uma pequena picadela. Tatiana Costa, advogada de 33 anos, diz que as suas rotinas têm mudado pouco Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Até ao final de segunda-feira, nenhum dos moradores testados tinha acusado a presença de Covid-19 Rui Gaudêncio
,Carro
Fotogaleria
Há seis equipas no terreno, com cerca de oito caso cada uma Rui Gaudêncio
,Clínica
Fotogaleria
Projecto implica também uma recolha de dados sobre os residentes que fazem o teste Rui Gaudêncio
Fotogaleria
“Teste rápido de anticorpos IgM/IgG” é de uma empresa norte-americana Rui Gaudêncio

Em Cascais, um teste rápido ao domicílio ajuda a detectar os casos “invisíveis” da covid-19

Autarquia colocou em campo um projecto para tentar detectar a presença da covid-19 em casos assintomáticos. Universo abrange 400 moradores escolhidos de forma aleatória através das facturas da água.

Maria Cristina Oliveira está na parte exterior da sua casa, em Cascais, com o indicador da mão esquerda estendido, à espera da pequena picada que irá dizer-lhe, cerca de 10 minutos depois e através da presença de anticorpos, se foi ou não infectada com novo coronavírus. Não que esta dentista de 53 anos, de nacionalidade brasileira e a residir em Portugal desde 2013, tenha sintomas ligados à covid-19.

Neste caso, foi o teste de despiste que foi ao encontro da pessoa, de forma gratuita e por mero acaso. Maria Cristina é uma das 400 pessoas seleccionadas de forma aleatória para um projecto-piloto da Câmara de Cascais cujo objectivo, de acordo com a autarquia, é “saber como está a propagar-se o coronavírus no concelho”. Para o efeito, estão a ser usados os testes de uma empresa norte-americana, a Healgen, que, por sua vez, é detida pela chinesa Zhejiang Orient Gene Biotech.

A ideia, sintetiza o vice-presidente da câmara, Miguel Pinto Luz, “é saber se há, ou não, muitos casos de pessoas assintomáticas”, isto é, que tenham apanhado o vírus sem o saber, por ausência de sintomas, e conseguir um número de contactos com a doença mais aproximado da realidade. “Isto é algo que não está a ser feito em mais lado nenhum”, destaca o autarca, afirmando que informou a Direcção-Geral de Saúde da iniciativa.  

De olho no teste está Eddie Nobre, paramédico que antes medira a febre a Maria Cristina com uma pistola de leitura da temperatura corporal à distância. Voluntário de 46 anos da Paramédicos de Catástrofe Internacional, uma Organização Não Governamental associada ao projecto, Eddie é o membro da equipa organizada pela câmara que assume mais protagonismo, e a quem compete fazer e relatar o resultado do estudo. Ao seu lado está uma técnica da autarquia, Sofia Lopes, incumbida de preencher um questionário sobre eventuais sintomas e de informações sobre o perfil das pessoas enquanto o tempo de espera do teste se aproxima do fim.

Sentimentos de alívio

O projecto arrancou na quinta-feira da semana passada, e quando o PÚBLICO acompanhou a equipa de testes já estava a entrar em velocidade cruzeiro: são seis equipas, com cerca de oito casos por dia cada uma.

Entretanto, Maria Cristina já conheceu o resultado do seu teste: deu negativo e serviu para a deixar “mais descansada”. Até ao final do dia, ninguém acusará a presença do vírus. Se fosse detectado um caso positivo, teria de ser logo reencaminhado para a Linha de Saúde 24, e “gerido pelas autoridades competentes”.

Segue-se outra moradora de Cascais, Tatiana Costa, também ela de nacionalidade brasileira e escolhida para o denominado “teste rápido de anticorpos IgM/IgG”. Dos cinco casos acompanhados pelo PÚBLICO, esta advogada de 33 anos, a residir há três em Portugal, foi a única que afirmou que as suas rotinas “não mudaram” com a conjuntura do vírus. Vai trabalhar todos os dias sem máscara — está numa sala sozinha –, mas, mesmo assim, é inegável que algo mudou: está a falar com a equipa com uma máscara no rosto, adereço que esteve sempre presente em todas as pessoas contactadas.

Dados analisados e publicados 

Os membros do projecto chegaram às casas de Maria Cristiana e de Tatiana tal como chegaram às das outras pessoas: por um processo aleatório elaborado através das facturas da água do município. Uma vez feita a selecção, há um contacto telefónico para explicar o programa, pedir autorização e marcar o encontro. Pelo meio, muitos suspeitam de um esquema fraudulento, e alguns acabam por recusar.

A teoria do sistema aleatório passa ainda por escolher, das pessoas que moram na casa seleccionada, qual foi a última a fazer anos. Uma vez recolhidos os dados, que são confidenciais, estes serão analisados por uma empresa especializada em estudos de mercado, a Pitagórica.

Depois desta primeira vaga – estão previstos mais testes nos próximos meses, de acordo com Miguel Pinto Luz — os resultados serão publicados, explicita a autarquia, com “uma margem de erro máxima de +/-5% para um nível de confiança de 95,5%”.

Afsanneh, uma psicanalista de 62 anos que nos últimos 11 anos tem dividido o seu tempo entre São Paulo e Cascais, é uma das pessoas que terá os seus dados analisados, e que com o resultado negativo diz ganhar uma “segurança”. Mas sempre com o sentimento, sublinhado pela equipa técnica, de que é preciso não baixar a guarda.

Enquanto o resultado final não surge, Eddie aproveita para dar alguns conselhos, alguns dos quais ouvidos pela primeira vez. É o caso de João Melo, bancário de 41 anos, que, com a sua mulher ao lado, enquanto dois filhos brincam e outro dorme a sesta, aprendem que se deve limpar os produtos comprados no supermercado com, por exemplo, uma mistura de 1/5 de lixivia com água, e que não chega uma quarentena de curta duração na despensa. Já no caso dos frescos, a sua limpeza envolve um banho de vinagre com água.

Os hábitos da família, diz João Melo, mudaram “radicalmente” e agora o horizonte de um passeio acaba ao final da rua. “É uma forma de viver bastante chata”, sintetiza, de forma diplomática.

Lília Franco, de 40 anos e auxiliar de acção médica, foi a última a fazer o teste na tarde de segunda-feira, e a ouvir a recomendação de usar a máscara também na rua, além dos espaços fechados. Por trabalhar numa unidade hospitalar, e com o filho e marido ao seu lado na sala de estar – há vários dias que os dois não saem de casa – havia o receio do contágio. Agora, “fica mais descansada” com o resultado negativo, cujo resultado tem um rigor de 98,6%, de acordo com Eddie.

Estes testes são diferentes dos testes de diagnóstico efectuados nos centros de rastreio, com acesso a laboratórios, e onde se recolhem amostras do nariz e da garganta com uma zaragatoa (semelhante a uma cotonete). Os testes laboratoriais detectam a presença do vírus muito mais cedo, enquanto os testes do projecto-piloto de Cascais só permitem, como explica o vice-presidente, Miguel Pinto Luz, detectar com eficácia “sete a 15 dias após a contaminação”.

Dos dados oficiais, o que se sabe deste concelho do distrito de Lisboa é que, até sexta-feira havia 280 casos confirmados de infecção com o novo coronavírus de acordo com a Direcção-Geral de Saúde. Tendo por base os dados de 2018 da população residente estimados pelo INE para esse ano, estes 280 casos equivalem a 0,13% do total dos moradores no concelho.

Sugerir correcção