Marco Galinha sobre covid-19: “Acesso a financiamento tem que ser rápido e sem juros”

Marco Galinha lidera um grupo empresarial que factura 400 milhões de euros e critica a burocracia dos apoios criados pelo Governo que está a ter consequências graves em muitas empresas. Mas acredita que esta crise é uma oportunidade para a reindustrialização do país.

Foto
direitos reservados

O empresário Marco Galinha, fundador do grupo Bel (facturação de 400 milhões de euros), de que é o principal accionista, antecipa que esta crise será pior que a Grande Depressão e que Portugal vai retornar à produção nacional e a reindustrializar-se. Para além da distribuição de bens essenciais, de bebidas, de café e de tabaco, que estão a funcionar normalmente, o grupo fabrica moinhos e máquinas de café, e equipamento robótico para clientes dos sectores automóvel, aeronáutica e aeroespacial — indústrias que pararam. E detém a metalúrgica luso-italiana que produz as torneiras Zenite.