PÚBLICO distribui 2500 assinaturas a profissionais de saúde com apoio da Santa Casa de Lisboa

Programa da instituição vai apoiar a imprensa com a compra de 20 mil assinaturas de sete jornais generalistas e um desportivo.

Foto
Paulo Pimenta

O PÚBLICO vai distribuir 2500 assinaturas digitais gratuitas a profissionais de saúde, no âmbito de um projecto financiado pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa destinado a promover a literacia mediática e a apoiar a sustentabilidade financeira da imprensa. A distribuição das assinaturas a médicos, enfermeiros e farmacêuticos será inserida na iniciativa PSolidário e requer apenas um registo por parte destes profissionais, que terão de estar inscritos nas respectivas ordens, aqui nesta página.

Com este apoio da Santa Casa, o PÚBLICO reforça a sua estratégia de alargamento da sua comunidade de assinantes a novos leitores, depois de, no final do ano passado, ter lançado o PSuperior, financiado por um grupo de empresas e destinado a alunos do ensino superior. Para o director do PÚBLICO, Manuel Carvalho, esta iniciativa é “um sinal muito importante, que testemunha o reconhecimento do jornalismo como um bem público” e, por isso, “merecedor de ser incluído nas estratégias de responsabilidade social das instituições”, a exemplo do que acontece em outros países. No âmbito da promoção da literacia mediática, o PÚBLICO tem também em actividade a iniciativa Público na Escola.

Ao todo, a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa vai distribuir 20 mil assinaturas digitais de oito órgãos de comunicação social do país. Ao mesmo tempo, a instituição anuncia que vai reforçar o investimento publicitário na imprensa regional e local através dos Jogos Santa Casa. Os propósitos da iniciativa que será lançada publicamente esta sexta-feira são dois: contribuir para a sustentabilidade do jornalismo num período em que as empresas de comunicação social estão a ser fortemente penalizadas pelo encerramento de postos de venda e pela quebra das receitas publicitárias; e promover a leitura de jornais enquanto “fontes de informação credível e validada”.

“Hoje, mais do que nunca, o jornalismo deve ser reforçado na sua missão de informar, para que os cidadãos tenham sempre esse farol de referência, porque só assim se poderá superar, de forma consciente e eficaz, os enormes desafios sociais que Portugal irá enfrentar nos próximos meses”, considera a Santa Casa. Ao financiar a aquisição de 20 mil assinaturas e ao reforçar o investimento publicitário na imprensa local e regional, a instituição procura promover “mais hábitos de leitura mediática”. No imediato, através do acesso gratuito aos conteúdos das edições digitais dos oito jornais seleccionados; e, no futuro, promovendo a sensibilização dos cidadãos “para a importância da subscrição de jornais como fonte de informação credível”.

Caberá aos oito órgãos de comunicação social integrados na estratégia da Santa Casa (PÚBLICO, Correio da Manhã, Diário de Notícias, Jornal de Notícias, Expresso, Visão, Observador e o desportivo A Bola) operacionalizar a distribuição das assinaturas – o PÚBLICO, como se referiu, escolheu como destinatários os profissionais de saúde. Com este passo, a instituição “vai ao encontro das necessidades mais urgentes dos meios de comunicação social nesta altura tão difícil”. E pretende servir como “inspiração” para que outras entidades e empresas apostem na “importância da informação jornalística e de esta poder chegar a cada vez mais pessoas”.