Covid-19: chefs unem-se para cozinhar refeições para equipa médica dos cuidados intensivos do São João

Mais de uma dezena de cozinheiros junta forças e alimentos no Porto para garantir pelo menos cem refeições diárias, entre almoços e jantares.

Fotogaleria
Euskalduna Studio Nelson Garrido
Fotogaleria
Euskalduna Studio Nelson Garrido
comida de rua
Fotogaleria
Euskalduna Studio Nelson Garrido
Fotogaleria
Euskalduna Studio Nelson Garrido
Fotogaleria
Euskalduna Studio Nelson Garrido
Fotogaleria
Euskalduna Studio Nelson Garrido
comida de rua
Fotogaleria
,Euskalduna Studio Nelson Garrido,Nelson Garrido
Fotogaleria
Euskalduna Studio Nelson Garrido
Cozinha vegetariana
Fotogaleria

Panados com massa e cavala de escabeche - esta é a ementa “do dia” do restaurante Euskalduna ​Studio e vai direitinha para médicos, enfermeiros e restante pessoal dos Cuidados Intensivos do Hospital de São João (Porto). E é a primeira ementa da iniciativa que reúne dez cozinheiros do Porto que vão cozinhar para este serviço. A ideia partiu do chef Vasco Coelho Santos, rapidamente outros amigos e colegas se quiseram juntar, o Continente e a QaulHouse associaram-se no esforço de garantir refeições diárias para quem muitas vezes não tem tempo para comer e, quando tem, normalmente no final de turnos extensos, não tem onde, explica o chef

Foi em conversas com um amigo médico nesse serviço que o projecto se começou a desenhar, conta Vasco Coelho Santos à Fugas. Com o restaurante fechado desde 13 de Março, teve uma breve experiência no take-away - “apenas para escoar os produtos” - e depois começou a trabalhar com o Banco Alimentar. Com ele, Marco Gomes (Oficina) e Tânia Durão (Atrevo): “Depois houve mais gente que soube e se quis juntar”. E, então, começou a rondá-lo a ideia de ajudar os profissionais de saúde, pelos relatos do amigo - “tenho muitos amigos metidos lá [no Hospital de São João]”.

Foto
São muitos os cozinheiros a contribuir Nelson Garrido

“Começámos hoje e a maior dificuldade foi a de nos organizar”, reconhece, é “necessária muita coordenação”. Mas a estrutura já está montada: a Vasco, Marco Gomes e Tânia Durão, unem-se Pedro Braga (Mito), Renata Coelho (Adega S. Nicolau, Taberna dos Mercadores e Terreiro), António Lamas (Intrigo), Nuno Castro (Esquina do Avesso, Terminal 4459, Sushiaria e Fava Tonka), Joana Babo (Boa Bao), Marta Almendra (Taqueria Ilegal, Boteco Mexicano e Cruel) e Cristovão Sousa (Ode Wine House) que se vão revezar a cada dia para assegurar que a equipa dos cuidados intensivos tem almoço e jantar; o Continente fornece parte dos alimentos (carne, peixe, massa, arroz, cebolas e cenouras  - os produtos mais brutos”); a Qualhouse assegura o transporte dos produtos e refeições.

São ajudas essenciais para a iniciativa avançar, admite Vasco Coelho Santos. A Qualhouse na logística (“nós não queríamos fazer o transporte, por causa dos riscos, queremos apenas manusear os alimentos”, assume em relação à sua equipa), o Continente fornecendo cerca de “60 por cento” dos alimentos. “Há sempre algum investimento de cada restaurante”, afirma, “porque há produtos que fazem falta e não estão incluídos. Mas é um esforço que todos acreditamos dever fazer”.

O trabalho no Euskalduna para ter as cem refeições estabelecidas pela iniciativa (sempre com opção de carne e peixe) prontas para entrega, às 11 horas, começou ontem. “Estamos a fazer a preparação toda no dia anterior”, explica, e, portanto, conta trabalhar, “no máximo, dois dias por semana “no restaurante, com os seus três cozinheiros, Nuno Brás, Rui Silva e Helder Figueiredo, e a sua mão-direita, Filipa Sousa, responsável pela comunicação do espaço - o resto do pessoal está em “lay-off”. Todos bem protegidos, com luvas, “já habituais”, as máscaras, “o utensílio novo”, e muito desinfectante, “algo que implementei desde sempre”. “Não queremos contaminar ninguém nem queremos ser contaminados”, diz, “eu, por exemplo, tenho dois filhos em casa e uma mulher em pânico. Quero garantir o bem-estar aos meus”.

No final de Abril, talvez o Euskalduna​, e o seu “irmão”, Semea by Euskalduna​, iniciem um regime de take-away. “Temos de pensar bem o modelo, queremos fazer coisas diferentes”, afirma Vasco Coelho Santos. Algo como o que já fizeram em Março, onde ofereciam, por exemplo, pizza de trufas brancas, aproveitando a massa do pão que fazem no restaurante. Certo é que daqui a 10 dias, a equipa do Euskalduna volta ao “turno”, volta a cozinhar para os Cuidados Intensivos do Hospital de São João. E a ementa não está definida, será improvisada com os produtos disponibilizados na altura.