Covid-19: Multicare vai pagar despesas dos seus segurados nos privados

O serviço da Fidelidade vai assegurar a despesa dos clientes não referenciados pelo SNS, depois da ministra da Saúde esclarecer que o Estado só vai pagar o tratamento dos doentes que foram encaminhados do SNS para os privados.

,Hospital
Foto
Ministra garantiu que utentes encaminhados do público para o privado serão pagos pelo Estado LUSA/MÁRIO CRUZ

A Multicare vai assegurar as despesas dos seus segurados que recorreram aos hospitais privados no âmbito da pandemia de covid-19, mesmo que não tenham sido referenciados pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Em comunicado, a Fidelidade diz que a Multicare assinou um acordo com a Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) para assistir os seus segurados não referenciados pelo SNS, apesar da prática internacional excluir o risco de pandemia dos seguros de saúde.

A posição da seguradora surge depois da polémica sobre quem pagaria os custos dos doentes que recorreram por sua vontade aos hospitais privados e foram atendidos por estes com a intenção de cobrar ao SNS por ser um serviço no âmbito da pandemia, mesmo sem estarem referenciados pelo Serviço Nacional de Saúde, como as regras estipulam.

A ministra da Saúde esclareceu no sábado que o Estado só vai assegurar os custos de tratamento dos doentes infectados com o novo coronavírus nos hospitais privados nos casos encaminhados pelo SNS, depois de uma reportagem da SIC ter revelado que alguns privados se preparavam para cobrar ao Estado o custo de internamento, testes e exames de todos os utentes diagnosticados com covid-19, mesmo que não sejam encaminhados pelo SNS.

No comunicado divulgado esta quarta-feira, a Fidelidade informa que o acordo assinado entre a Multicare e a APHP pretende “continuar a assegurar a protecção da saúde dos seus segurados e apoiar as unidades hospitalares do SNS, aliviando a sobrecarga sobre essas unidades ao evitar a transferência de doentes covid-19 que não tenham sido referenciados pelo SNS.”

Pretende ainda “assegurar o contínuo apoio ao sistema privado de saúde, o qual tem dado um contributo decisivo para a melhoria dos cuidados de saúde da população portuguesa e cuja estrutura hospitalar será absolutamente decisiva para a fase de recuperação dos tratamentos que ficaram adiados pela pandemia covid-19”, sublinha.

Citado no comunicado, o presidente do Grupo Fidelidade, Jorge Magalhães Correia, lembra que “os portugueses dispõem de um bom sistema público de saúde e de um bom sistema privado de saúde, acessível a faixas alargadas da população, pelo que o esforço conjunto destes sistemas é essencial para vencer os múltiplos desafios que actualmente o país enfrenta.”

Sugerir correcção