Covid-19: Marcelo contactou enfermeiro que tratou Boris Johnson e agradece empenho dos profissionais de saúde

O primeiro-ministro britânico agradeceu a um enfermeiro português pelo tratamento que recebeu durante o internamento no hospital St. Thomas, em Londres, onde esteve internado durante uma semana devido à infecção com covid-19.

Foto
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, agradeceu ao enfermeiro português Luís Pitarma pelos cuidados prestados PIPPA FOWLES/Reuters

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, agradeceu este domingo o “empenho de todos os profissionais de saúde” na luta contra a covid-19 e revelou que falou com o enfermeiro português que tratou o primeiro-ministro britânico.

Numa nota divulgada este domingo no site da Presidência da República, o chefe de Estado salienta “o especial reconhecimento apresentado hoje pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, ao enfermeiro português Luís Pitarma pelo seu trabalho e vigilância durante o internamento nos cuidados intensivos”.

“O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa já transmitiu pessoalmente o seu agradecimento ao enfermeiro Luís Pitarma, e, na sua pessoa, agradece também o empenho de todos os profissionais de saúde portugueses que em Portugal e em todo o mundo estão a prestar uma ajuda decisiva no combate à pandemia”, é referido também.

O Presidente da República aproveitou igualmente para deixar “uma palavra de estímulo” aos “profissionais de outras nacionalidades que, reforçando o Serviço Nacional de Saúde, prestam um serviço inestimável a Portugal”.

“É também por eles que reforça o apelo para que, quem pode, permaneça em casa e cumpra as orientações das autoridades de saúde”, acrescenta o Palácio de Belém.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, agradeceu este domingo a um enfermeiro português pelo tratamento que recebeu durante o internamento no hospital St. Thomas, em Londres, onde esteve durante uma semana devido à infecção com covid-19.

Natural de Aveiro, Luís Pitarma, de 29 anos, formou-se na Escola Superior de Enfermagem de Lisboa, tendo realizado um ano de Erasmus na universidade de Lathi, na Finlândia. Em 2016, começou a trabalhar em Londres, onde passou por três unidades de saúde antes de ser recrutado para o grupo hospitalar de Guy e St. Thomas, onde é enfermeiro especializado em cuidados intensivos, em particular ECMO (Oxigenação por Membrana Extracorporal), segundo informação do próprio nas redes sociais.

O português e uma enfermeira da Nova Zelândia receberam um agradecimento especial por terem acompanhado Boris Johnson nos cuidados intensivos, numa mensagem na rede social Twitter.

A mensagem foi publicada pouco depois de ter sido anunciado que o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, recebeu alta do hospital, onde estava internado desde 5 de Abril, inicialmente “por precaução” para fazer testes devido a sintomas persistentes da doença.

Um agravamento do estado de saúde levou à passagem para uma unidade de cuidados intensivos na segunda-feira, onde passou três noites, sendo que depois passou para uma enfermaria normal.

Boris Johnson, de 55 anos, foi o primeiro líder mundial a ser diagnosticado com a doença, a 26 de Março, inicialmente com sintomas ligeiros de tosse e febre, o que o levou a continuar a trabalhar durante o período de isolamento.

O combate à pandemia da covid-19 no Reino Unido mobiliza vários enfermeiros portugueses, de entre os milhares que lá estão emigrados.

O Reino Unido registou mais 737 mortes de pessoas infectadas nas últimas 24 horas, elevando para 10.612 o total de óbitos durante a pandemia covid-19, comunicou este domingo o Ministério da Saúde britânico.

Sugerir correcção