Covid-19: mais de 1,2 milhões de infectados e 68 mil mortes pelo mundo

Estados Unidos é o país do mundo com maior número de infectados. Europa aproxima-se das 50 mil mortes.

Foto
Reuters/AZIZ KARIMOV

A pandemia do novo coronavírus já matou 68.125 pessoas em todo o mundo e infectou mais de 1,2 milhões desde Dezembro, segundo um balanço da agência AFP, às 20h deste domingo, através de fontes oficiais dos vários países. De acordo com os dados recolhidos pela agência noticiosa francesa, mais de 1.244.740 casos de infecção foram oficialmente diagnosticados em 191 países e territórios desde o início da epidemia, em Dezembro passado, na China.

A AFP alerta, contudo, que o número de casos diagnosticados reflecte actualmente apenas uma fracção do total real de infecções, já que um grande número de países está a testar apenas os casos que requerem atendimento hospitalar. Entre esses casos diagnosticados, este domingo, pelo menos 238.800 são considerados curados pelas autoridades de saúde. Desde a contagem realizada às 20h de sábado, 4690 novas mortes e 75.522 novos casos ocorreram em todo o mundo.

Os países com mais mortes nas últimas 24 horas são os Estados Unidos, com 1082 novas mortes, Espanha (674) e Reino Unido (621).

A Itália, que registou sua primeira morte ligada ao coronavírus no final de Fevereiro, tem agora 15.877 mortes, 128.948 casos e 21.815 pessoas curadas. Este domingo, as autoridades italianas anunciaram 515 mortes e 4316 novos casos.

Depois da Itália, os países mais afectados são a Espanha, com 12.418 mortes, para 130.759 casos, os Estados Unidos, com 9180 mortes (324.052 casos), a França, com 8078 mortes (92.839 casos) e o Reino Unido, com 4934 mortes (47.806 casos).

A China (sem os territórios de Hong Kong e Macau), onde a epidemia começou no final de Dezembro, contabilizou um total de 81.669 casos (30 novos entre sábado e este domingo), incluindo 3329 mortes (três novas) e 76.964 curas.

Com vários casos registados oficialmente, os Estados Unidos são actualmente o país mais afectado no mundo.

Desde sábado, às 20h de Lisboa, Etiópia e Haiti anunciaram as primeiras mortes ligadas ao vírus e o Sudão do Sul anunciou o diagnóstico de um primeiro caso.

A Europa totalizava às 20h deste domingo 49.137 mortes, para 664.514 casos, os Estados Unidos e Canadá 9477 mortes (339.442 casos), a Ásia 4192 mortes (118.570 casos), o Médio Oriente 3794 mortes (76.082 casos), a América Latina e Caribe 1053 mortes (30.539 casos), África 431 mortes (8921 casos) e a Oceânia 41 mortes (6675 casos). Este balanço foi realizado com dados recolhidos pela AFP junto das autoridades nacionais competentes dos vários países e da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Em Portugal, segundo o balanço feito este domingo pela Direcção-Geral da Saúde, registaram-se 295 mortes, mais 29 do que na véspera (+11%), e 11.278 casos de infecções confirmadas, o que representa um aumento de 754 em relação a sexta-feira (+7,2%).

Dos infectados, 1084 estão internados, 267 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 75 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 2 de Março, encontra-se em estado de emergência desde as 0h de 19 de Março e até ao final do dia 17 de Abril, depois do prolongamento aprovado na quinta-feira na Assembleia da República.

Além disso, o Governo declarou no dia 17 de Março o estado de calamidade pública para o concelho de Ovar.

Sugerir correcção