Turquia bloqueia avião com ventiladores comprados por Espanha para reforçar o próprio sistema de saúde

Centenas de ventiladores foram comprados à China pelas autoridades espanholas para reforçar os meios disponíveis em alguns hospitais. Os aparelhos, que deviam ter chegado no passado sábado, ainda não saíram da Turquia, que diz que a prioridade são os seus pacientes e que os enviará “dentro de algumas semanas” a Espanha.

Foto
Hospital Universitário Gregorio Marañón, em Madrid LUSA/JUANJO MARTIN

As autoridades turcas bloquearam em Ancara um avião proveniente da China que transportava centenas de ventiladores comprados — e já pagos — por Espanha para “reforçar o seu sistema de saúde” e serem utilizados nos pacientes turcos diagnosticados com covid-19. De acordo com a informação avançada esta manhã em conferência de imprensa pela ministra dos Negócios Estrangeiros de Espanha, Arancha González Laya, que é citada pelo El Mundo, o material, que foi adquirido por várias comunidades autónomas espanholas, como Navarra e Castilla-La Mancha​, foi “confiscado” pelo Governo turco depois de o avião fazer escala na capital do país.

Segundo González Laya, o Governo da Turquia impôs recentemente novas restrições à exportação deste tipo de aparelhos médicos já que o próprio sistema de saúde turco vai precisar de ventiladores e de outros equipamentos de protecção individual para lidar com o aumento de casos dos últimos dias. No entanto, neste caso, ainda que os ventiladores tenham sido produzidos em território turco, a empresa responsável pela produção é espanhola e as peças foram adquiridas à China. A carga apreendida está retida na Turquia desde o passado sábado por causa de um “problema alfandegário”.

Os equipamentos foram comprados para aliviar alguma da pressão dos sistema de saúde espanhol. Entre o material apreendido estão 150 ventiladores que o Conselho Comunitário de Castilla-La Mancha — uma das regiões espanholas mais afectadas pela pandemia — adquiriu por três milhões de euros, além de outros materiais que o próprio Ministério da Saúde espanhol comprou. 

Os ventiladores são pequenas máquinas usadas para auxiliar a respiração de pessoas com doenças respiratórias graves com impacto nos pulmões – como a pneumonia ou a covid-19. Ainda que a maioria das pessoas infectadas com o SARS-CoV-2 tenha apenas sintomas leves, uma percentagem considerável da população ainda precisará de estar nos cuidados intensivos e de um ventilador.

A ministra dos Negócios Estrangeiros garantiu esta sexta-feira que tanto da parte do seu ministério como do Ministério da Saúde espanhol, foram feitos vários esforços durante esta semana para tentar resolver o problema com os homólogos turcos. Um dos resultados deste diálogo terá sido o envio de máscaras, fatos, óculos de protecção e gel hidroalcoólico para Espanha e Itália, os dois países europeus mais afectados pela pandemia. O avião militar de carga partiu esta quarta-feira de uma base próxima de Ancara com cinco toneladas de equipamento de protecção a bordo, segundo um comunicado do Ministério da Defesa turco.

Arancha González Laya disse esperar que a carga de ventiladores chegue “nos próximos dias”, mesmo ainda sem uma resposta das autoridades turcas. Segundo o El Mundo, a ministra dos Negócios Estrangeiros disse que foi informada pelo Governo da Turquia de que, por enquanto, estes material não deixará o país uma vez que agora a prioridade são os seus próprios pacientes. Ainda assim, “dentro de um período de tempo razoável, algumas semanas, [o Governo turco] colocará os ventiladores à disposição de Espanha”, referiu González Laya que é citada pelo diário espanhol.

A Turquia ultrapassou esta sexta-feira os 20 mil casos de infecção com o novo coronavírus, 2786 dos quais detectados nas últimas 24 horas. De acordo com as autoridades de saúde turcas, 425 pessoas já morreram. As medidas para o combate ao SARS-CoV-2 também foram reforçadas nos últimos dias. Segundo anunciou o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, os jovens com menos de 20 anos ficam em isolamento obrigatório a partir deste sábado, medida que já tinha sido implementada junto das pessoas acima dos 65 anos e dos doentes crónicos. 

A Turquia também decidiu encerrar as fronteiras de 31 cidades, incluindo Istambul, a todos os veículos, excluindo os que fazem o abastecimento de produtos essenciais como alimentos frescos e medicamentos. O uso de máscaras de protecção indivíduo em locais públicos com muito movimento, em transportes públicos, supermercados e locais de trabalho passou também a ser obrigatório.

Todos os voos internacionais foram suspensos, as viagens de carro foram limitadas e as escolas, bares e cafés encerrados. As actividades laborais, no entanto, decorrem dentro da normalidade uma vez que Erdogan procura “sustentar a produção e as exportações económicas”.

Ao mesmo tempo, a situação em Espanha continua a piorar de dia para dia. Só entre esta quinta e sexta-feira, o país contou 932 mortes. Já morreram 10.935 pessoas que estavam infectadas com o novo coronavírus. No total, diagnosticados mais de 117 mil casos.

O coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infectou mais de um milhão de pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 55 mil. Depois de surgir na China, em Dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Notícia corrigida às 16h21: foi acrescentada a informação de que os ventiladores foram produzidos em território turco por uma empresa espanhola com peças da China, algo que não se sabia até aqui