“Ninguém quer saber se eu tenho dinheiro ou comida”

Salários em atraso não são uma novidade no Campeonato de Portugal, situação que a pandemia de covid-19 só agravou. Os casos mais difíceis são os dos estrangeiros, como Ibrahim, longe de casa e da família. Sindicato dos Jogadores já recebeu mais de 100 pedidos de ajuda.

Foto
Ibrahim (em baixo, à esquerda) com alguns jogadores do Olímpico do Montijo DR

Se há coisa que Ibrahim Muhammad não teve desde que chegou a Portugal é sorte. “Eu só quero jogar, ter a minha carreira. E receber um salário”, são frases que o futebolista de 20 anos repete. No país há mais de ano e meio, o defesa central nascido em Zaria, na Nigéria, até já teve um contrato e dois clubes. Salários é que nem por isso – o único que viu, em Outubro, não passou de uma pequena fatia do que tinha acordado receber nos sub-23 do Clube Desportivo Feirense.