Torne-se perito Crítica

Bethânia verde e rosa

Celebrando o enlace Rio-Bahia, eis um Brasil que lava a alma, nestes dias de dor.

Este disco já estava pronto quando Bethânia estreou, nos coliseus de Lisboa e Porto, o espectáculo <i>Claros Breus</i>
Foto
Este disco já estava pronto quando Bethânia estreou, nos coliseus de Lisboa e Porto, o espectáculo Claros Breus nuno ferreira santos

Quem viu o documentário Fevereiros, de Marcio Debellian, estreado em Portugal em Fevereiro de 2019, já saberá ao que vem este disco. Que aliás já estava pronto quando Bethânia estreou, nos coliseus de Lisboa e Porto, o espectáculo Claros Breus. E há, entre ambos, uma mesma ligação: a cantora trabalhou com o maestro, compositor e arranjador baiano Letieres Leite, criador da Orkestra Rumpilezz, quer na concepção de Claros Breus, quer no disco Mangueira — A Menina dos Meus Olhos, homenagem à mítica e quase centenária escola de samba verde-e-rosa carioca.