Declarações de IRS superaram as 523 mil no primeiro dia

O número de declarações de IRS entregues no primeiro dia do prazo superou a barreira do meio milhão, patamar que um ano antes apenas foi atingido ao final do segundo dia.

Receita Federal
Foto
Adriano Miranda

De acordo com os dados disponíveis no Portal das Finanças, até ao final desta quarta-feira tinham sido submetidas uma total de 570 mil declarações de IRS. A este total há, contudo, que descontar as cerca de 48 mil entregas que se tinham verificado antes do início da campanha deste ano do IRS e que correspondem, entre outras situações, a declarações relativas a anos anteriores (de substituição ou que não foram entregues na data devida).

As mais de 523 mil declarações submetidas até ao final do dia 1 de Abril no âmbito da actual campanha do IRS evidenciam uma forte subida por comparação com as cerca de 300 mil contabilizadas em igual período do ano passado e aproximam-se das 569 mil que no ano passado foram registadas no final do segundo dia.

Desde 2019 que o prazo para a entrega do IRS foi alargado em um mês – passando a terminar em 30 de Junho – mas é cada vez maior o número de contribuintes que avança com a entrega da sua declaração anual de imposto nos primeiros dias.

A rapidez na entrega tem assegurado no passado que o reembolso chegue à conta bancária mais cedo, sendo que o prazo médio para esta devolução do imposto tem vindo a recuar de ano para ano.

Dados oficiais relativos à campanha de 2019 indicam que o prazo médio de reembolso (contado deste a data da entrega da declaração até à data em que o valor é depositado na conta bancária do contribuinte) foi de 16 dias, menos um que no ano anterior.

“O prazo médio registado [em 2019] decompõe-se em: 11 dias para o IRS Automático e 18 dias para as declarações normais” refere a mesma informação oficial.

Este ano, devido ao actual contexto excepcional e com mais de 7.000 dos funcionários da Autoridade Tributária e Aduaneira em teletrabalho, não foi fixada uma meta de prazo médio para o reembolso.

Em entrevista à SIC, na quarta-feira, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes garantiu, contudo, que tudo será feito com a rapidez “que a circunstância actual exige”.

É “muito importante que os portugueses tenham isto em mente, quer quando falamos dos reembolsos do IRS quer quando falamos de todos os outros apoios [que foram aprovados para mitigar o impacto do surto de covid-19 na economia]”, declarou o secretário de Estado.