Torne-se perito

Ferro leva quinta-feira a plenário voto de pesar pelas vítimas mortais

Reunião de amanhã sevrirá para aprovar também as novas regras do estado de emergência.

,Presidente da Assembleia da República (Portugal)
Foto
Ferro Rodrigues FRANCISCO ROMAO PEREIRA

O presidente da Assembleia da República leva a plenário na quinta-feira um voto de pesar pelas vítimas mortais da pandemia de covid-19, no qual salienta que o Parlamento continua a fiscalizar o Governo e a administração.

Segundo o balanço feito esta quarta-feira pela Direcção-Geral da Saúde, em Portugal registaram-se 187 mortes e 8251 casos de infecções confirmadas.

“Não podendo ficar indiferente a esta dura realidade, a Assembleia da República (...) expressa o seu pesar pelas vítimas mortais da covi-19, endereçando às famílias enlutadas a sua solidariedade e as mais sinceras condolências”, refere Ferro Rodrigues no seu voto.

No plano político, Ferro Rodrigues salienta que o Parlamento, “enquanto órgão de soberania, e no uso das competências constitucionais, mantém o acompanhamento permanente do evoluir da situação e uma cuidada fiscalização da acção do Governo e da administração, em especial do conjunto de medidas extraordinárias e de carácter urgente de resposta à crise que Portugal e os portugueses atravessam”.

Na perspectiva do presidente da Assembleia da República, em Portugal, “em resultado de medidas restritivas, que se traduziram em limitações a alguns direitos, liberdades e garantias (em especial a direitos de circulação), na decorrência da declaração do estado de emergência - e muito devido ao empenho de toda a sociedade -, foi possível atenuar a transmissão mais acelerada do novo coronavírus e, assim, moderar alguns dos efeitos mais nefastos da pandemia”.

“Portugal e os portugueses têm sabido mobilizar-se, de forma empenhada, disciplinada, paciente e serena, respondendo ao repto das autoridades de saúde e cumprindo as medidas tomadas, evitando situações de risco (para os próprios e para os outros), dando provas da sua grande capacidade de resistência e o grande empenho em vencer esta enorme provação. Uma crise que é de saúde pública, mas é também económica e social”, sustenta.

No entanto, de acordo com o presidente da Assembleia da República, “pese embora a dedicação sem limites, a competência, o profissionalismo e o enorme esforço dos profissionais de saúde - que vão muito além do estrito dever -, são já mais de uma centena as vítimas mortais por covid-19”.

“É esta a expressão mais violenta da pandemia, porque irreversível. Esta é, aliás, uma difícil circunstância, que partilhamos com muitos países e cidadãos do mundo inteiro”, acrescenta