Venezuela: barco da Marinha venezuelana afundou-se após colisão com cruzeiro português

Colisão aconteceu na segunda-feira a 181 quilómetros de Caracas.

Venezuela
Foto
DR

Um barco da Marinha venezuelana afundou-se na segunda-feira após uma colisão com o cruzeiro de bandeira portuguesa “Resolute”, a norte da ilha de La Tortuga (181 quilómetros a nordeste de Caracas), foi anunciado esta terça-feira.

Segundo o Ministério da Defesa da Venezuela, pelas 00h locais de segunda-feira (5h em Lisboa), o barco da Guarda Costeira “Naiguatá GC-23” realizava "tarefas de patrulhamento marítimo” no mar territorial venezuelano quando "foi atingido pelo navio de passageiros “Resolute” (122 metros de comprimento e 8300 toneladas de deslocamento), de bandeira portuguesa”.

A colisão ocorreu quando a embarcação da Marinha "efectuava um procedimento de controlo de tráfego marítimo, o que gerou danos de grande magnitude" no barco da Guarda Costeira venezuelana.

A acção do navio “Resolute” é considerada covarde e criminosa, pois não atendeu ao resgate da tripulação, violando os regulamentos internacionais que regulam o resgate da vida no mar. Actualmente, este navio está no porto de Willemstad, capital de Curaçau, onde atracou na manhã de hoje”, explica o comunicado.

De acordo com o comunicado, as operações de busca e salvamento, juntamente com o desempenho profissional e corajoso do pessoal venezuelano, "permitiram o resgate na íntegra da tripulação".

“O Estado venezuelano realiza as acções legais correspondentes”, conclui o documento. A imprensa local adianta que a tripulação do “Naiguatá GC-23” era composta por 44 homens.

O barco foi construído pelo estaleiro Navantia, em São Fernando, Espanha, e entregue às autoridades venezuelanas em 24 de Junho de 2009.

Sugerir correcção