Nuno Ferreira Santos
Foto
Nuno Ferreira Santos

Municípios criam bolsas de voluntariado para ajudar durante a pandemia

Por todo o país, as autarquias criam bolsas de voluntariado para ajudar os mais vulneráveis. Em Lamego, Pampilhosa da Serra, Aveiro, Mondim de Basto ou Fundão, há inscrições abertas para os quiserem ajudar em lares, instituições, ou em tarefas do dia-a-dia.

A Câmara de Lamego criou uma bolsa de voluntariado aberta a todos os munícipes que estejam disponíveis para ajudar os outros durante a pandemia da covid-19 e que tem como principais pressupostos a solidariedade e a cidadania.

“Após a recolha de candidaturas e a avaliação do perfil do candidato a voluntariado, a autarquia, enquanto entidade coordenadora, encaminhará os cidadãos para as instituições e entidades, públicas e privadas”, explica o município.

Estas instituições e entidades, “que actuam sobretudo nas áreas da saúde e do sector social”, terão que indicar as suas necessidades e manifestar o interesse em acolher os voluntários, “de acordo com as suas características e competências”, acrescenta.

A iniciativa será dinamizada por uma plataforma digital. A bolsa de voluntariado integra o “Lamego Ajuda”, um programa especial de auxílio e protecção às pessoas mais vulneráveis, em particular a população idosa, devido à actual ameaça à saúde pública.

Segundo a autarquia, até esta segunda-feira, mais de duas dezenas de famílias do concelho já pediram ajuda a este programa. “Requerem a entrega de medicação e bens alimentares de primeira necessidade em suas casas, mas também apoio psicossocial à distância, através da linha de atendimento assegurada por uma técnica especializada que faz o despiste das principais necessidades”, explica.

A autarquia acrescenta que, nos últimos dias, a população idosa “é a franja populacional que mais tem procurado este programa especial de protecção, mas também há registo de munícipes em situação de isolamento social e sem retaguarda familiar”.

A iniciativa de Lamego não é única. Por todo o país, diversos municípios têm anunciado a criação de bolsas de voluntários para fazer frente ao surto de coronavírus. Em Pampilhosa da Serra, foi criada uma bolsa para cidadãos que possam trabalhar voluntariamente ou dar apoio a Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) do concelho. 

A inscrição pode ser feita através do preenchimento de um formulário que está disponível no Facebook e no site da autarquia — e serve para sinalizar a disponibilidade dos voluntários, que deverão ser chamados em caso de necessidade.

Em Aveiro, foi criada uma bolsa de voluntariado para apoiar os idosos do município. A autarquia procura pessoas disponíveis para prestar apoio no lar da Santa Casa ou noutras instituições que possam vir a precisar de reforços. Os voluntários devem ter menos de 60 anos e não pertencer a nenhum dos grupos de risco referenciados pela DGS e podem inscrever-se através de email.

À lista junta-se Mondim de Basto, também à procura de pessoas disponíveis para ajudar. A rede solidária deverá ajudar os mais vulneráveis com tarefas como a ida às compras, entrega de refeições, medicamentos, passeio de animais domésticos ou outras. Estão igualmente excluídos voluntários que pertençam a grupos de risco. As inscrições podem ser feitas através de um formulário disponível na página da autarquia. 

No Fundão, a autarquia está à procura de pessoas que possam prestar apoio a lares, domicílios ou outros serviços. Os voluntários não devem ter mais de 50 anos e podem inscrever-se enviando email para [email protected] ou através dos contactos indicados na página da autarquia

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infectou mais de 727 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 35 mil. Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direcção-Geral da Saúde, registaram-se 140 mortes, mais 21 do que na véspera (+17,6%), e 6.408 casos de infecções confirmadas, o que representa um aumento de 446 em relação a domingo (+7,5%).

Dos infectados, 571 estão internados, 164 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Sugerir correcção