Páre o carro, fique em casa: o apelo em vídeo de jornalistas de automóveis de todo o mundo

De Espanha a Itália ou Portugal. Aqui, falam 25 vozes que representam a Women’s World Car Of The Year, rede de 41 jornalistas de automóveis em 33 países. Unem-se para dizer, pela primeira vez: se a viagem não é necessária, deixe o carro parado.

Suzuki Swift
Foto
Nuno Ferreira Santos

Mais habituadas a andar de um lado para o outro, seja de avião, para conhecer as novidades do sector automóvel, seja de carro, para analisar a oferta de cada produto, as juradas do Women’s World Car Of The Year (WWCOTY), prémio internacional que reúne 41 jornalistas de 33 países, Portugal incluído, juntaram-se em vídeo, de suas casas, num apelo dirigido a quem não tem de sair para trabalhar ou para deslocações necessárias: “Fiquem em casa” (se puderem).

Os prémios Women's World Car of the Year, criados em 2009 como resposta à ausência de mulheres entre os júris internacionais, não pretendem indicar o melhor carro para mulheres, mas antes distinguir os melhores automóveis lançados globalmente a partir da avaliação de especialistas do sector de todo o mundo: da Argentina à Nova Zelândia, do Vietname à África do Sul, passando pela Rússia, Índia, Itália ou Áustria.

“Num contexto tão igual a nível global e ao mesmo tempo tão específico em cada país, julgámos ser importante passar não só uma mensagem de união como uma que mostre como continuamos todas aqui, a trabalhar, mais em conjunto do que nunca”, diz Carla B. Ribeiro, a única portuguesa do grupo e jornalista do PÚBLICO, onde assina trabalhos sobre a indústria automóvel.

Este sábado, a PSP de Lisboa está a identificar todos os automobilistas que atravessam a Ponte 25 de Abril, no sentido norte-sul, para travar movimentos desnecessários em altura de pandemia, o que provocou longas filas.