Crítica

Um Bairrada monumental

Um vinho extraordinário, testemunha também uma certa forma de fazer vinho nesta família.

,Garrafa de vinho
Foto

Bebi este tinto Kompassus Gene 2007, da Bairrada, no passado domingo, a acompanhar um borrego assado no forno. Quando o provei pela primeira vez, há dois anos, na adega do produtor, tinha-o achado ainda demasiado marcado pela madeira, o que era uma pena, porque essa sensação prejudicava a sua qualidade intrínseca. O vinho foi sujeito a um duplo estágio de 24 meses em barricas novas (ao fim de um ano numa barrica, passou outro ano noutra barrica nova) e ficou depois a estabilizar mais um ano em balseiro avinhado antes de ser engarrafado e “esquecido” durante nove anos na adega.