Torne-se perito

Évora: morreu Manuel Fialho, senhor da gastronomia do Alentejo e de Portugal

Filho do fundador do icónico restaurante O Fialho, de Évora, morreu esta quarta-feira.

Foto
A começar à esquerda: os irmãos Gabriel, Amor e Manuel Fialho O Fialho

“Caros amigos, parti mas deixei o meu testemunho nesta vida, com as minhas conquistas pessoais, a família que construí e as amizades que fui cultivando e que todos vocês fizeram parte”, lê-se numa mensagem partilhada pelo restaurante Fialho, no seu Facebook, e que traz a assinatura de Manuel Fialho, um dos filhos do fundador do emblemático restaurante e que morreu esta quarta-feira.

“Foi uma personalidade incontornável da sociedade alentejana a quem a região e Portugal muito devem”, ajudando a “elevar o estatuto da gastronomia alentejana a uma das ‘almas gastronómicas de Portugal’”, realça um comunicado conjunto do Turismo do Alentejo e Ribatejo e da Agência de Promoção Turística do Alentejo. A Lusa indica que o gastrónomo foi “vítima de doença prolongada”.

Manuel Fialho integrou várias equipas directivas daquela entidade regional, foi um dos fundadores da Agência de Promoção Turística do Alentejo e foi membro fundador da Confraria Gastronómica do Alentejo, desempenhando diversas outras funções.

Coordenou também a monumental Carta Gastronómica do Alentejo – Monumenta Transtaganae Gastronomica e foi também co-autor de diversas obras sobre o tema.

Segundo António Ceia da Silva, presidente do Turismo do Alentejo, Fialho foi “uma grande referência” não só para o sector na região, como a nível nacional, tendo Vítor Silva, presidente da Agência de Promoção Turística do Alentejo, acrescentado que a região “perde uma figura de vulto que tanto contribuiu para a gastronomia, a cultura e o turismo” no território.

"Deixa um legado de excelência que, estou certo, terá continuidade”, comentou, por seu lado, o Presidente da República numa nota em que apresenta as condolências à família. “Conhecido como a alma do restaurante ‘O Fialho’, fundado pelo seu pai em 1945, no centro histórico de Évora, foi um militante da gastronomia alentejana e da sua cultura tradicional, projectando a identidade de uma região e tornando-a turisticamente apelativa”, assinala Marcelo Rebelo de Sousa numa nota publicada no site da Presidência. 

Considerando-se as directivas para a restrição do surto da covid-19, que impõem restrições nos funerais, a mensagem que no Facebook do restaurante surge com a assinatura de Manuel Fialho indica: “na impossibilidade de hoje me acompanharem presencialmente, às 12 horas no Crematório de Elvas, estarei com a minha família e convosco no meu coração. Agradeço a todos que preencheram a minha vida deixando um grande abraço com grande sorriso, pois a minha missão foi cumprida. Oportunamente será realizada uma cerimónia para todos vós”.

O restaurante O Fialho foi fundado em 1945 por Manuel Fialho (o pai) num projecto de referência para o Alentejo, a sua gastronomia e os seus vinhos, ao qual os filhos, Amor, Gabriel e Manuel, deram continuidade.

PÚBLICO -
Foto
O Fialho de Èvora DR

A casa encerrou no dia 13 de Março, por precaução face ao surto, “tendo em conta os interesses públicos superiores de saúde pública e em nome do bem-estar dos seus clientes , colaboradores e suas famílias”. 

Sugerir correcção