Taxas Euribor reforçam tendência de subida

Os principais prazos que estão na base dos empréstimos às famílias e empresas estão a subir e já atingiram máximos de Setembro de 2019.

Banco Central Europeu, presidido por Christine Lagard, tem em curso várias medidas de apoio à economia
Foto
Banco Central Europeu, presidido por Christine Lagard, tem em curso várias medidas de apoio à economia. Reuters/RALPH ORLOWSKI

As taxas Euribor estão a subir, atingido esta quinta-feira máximos desde Setembro de 2019 nos prazos a três, seis e 12 meses, os mais utilizados nos empréstimos às famílias e empresa.

As taxas continuam todas em valores negativos, o que tem sido uma “almofada” para quem tem empréstimos a pagar, ou pode vir a contrair novos, nomeadamente no acesso às linhas de crédito que estão a ser lançadas para responder ao “choque” económico gerado pela pandemia da covid-19.

Ainda é cedo para avaliar se a tendência de subida se vai manter, ou acelerar, até porque os bancos centrais continuam a apresentar novas medidas para responder à crise. Entre outras decisões, o Banco Central Europeu tem em curso um plano ambicioso de compra de dívida e de redução dos juros, já negativos, dos empréstimos de longo prazo aos bancos.

Segundo a Lusa, a taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, avançou esta quinta-feira para -0,274%, um máximo desde Setembro, mais 0,024 pontos que na sessão anterior e acima do actual mínimo de sempre, de -0,448%, verificado em 3 de Setembro de 2019.

No prazo de 12 meses, a taxa Euribor também avançou, para -0,148%, mais 0,028 pontos, e contra o actual mínimo de -0,399%, em 21 de Agosto de 2019.

No mesmo sentido, a Euribor a três meses subiu para -0,349%, mais 0,020 pontos, e contra o actual mínimo de sempre, de -0,489%, registado em 12 de Março.  

 As taxas Euribor a três e a seis entraram em terreno negativo em 2015, em 21 de Abril e em 6 de Novembro, respectivamente. A de 12 meses passou para negativo a 5 de Fevereiro de 2016.

As Euribor são fixadas pela média das taxas a que um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

Sugerir correcção